Valorização do pequeno produtor marca encerramento da 50ª reunião da OIC

Imprimir

A 50ª Reunião Geral da Organização Internacional do Café (OIC), realizada em Belo Horizonte, entre os dias 9 e 12 de setembro, durante a Semana Internacional do Café, apresentou significativos avanços, principalmente no que se refere ao apoio aos produtores, visando à melhoria do preço do produto. “Tivemos importantes avanços nestes quatro dias de reunião, principalmente no que se refere ao apoio ao pequeno produtor dos países emergentes. Além disso, a OIC vê com ótimos olhos políticas como a adotada recentemente pelo governo brasileiro de ordenamento do fluxo de safra”, afirmou Robério Silva, diretor-executivo da instituição, citando a medida do governo federal de retirar 13 milhões de sacas do mercado.

Ao final do encontro, os participantes aprovaram a Declaração de Belo Horizonte, com os principais pontos acordados nos quatro dias de discussões. Entre os principais temas, a OIC reitera o compromisso de disponibilizar informações estatísticas e econômicas objetivas e abrangentes sobre o mercado global de café como meio de possibilitar a tomada de decisões com base em dados precisos e atualizados. Participaram da reunião da OIC 157 delegados, 58 observadores e 79 visitantes convidados, de 70 países.

Para o diretor de Operações da OIC, o colombiano Maurício Galindo, a queda dos preços preocupa particularmente o setor. “Estamos chegando ao patamar do preço praticado em 2009, de US$ 1,17 a libra de café- cada libra pesa 0,45359237 quilogramas. Um agravante do valor praticado no mercado internacional é que, além da queda do preço, há um inevitável aumento dos custos de produção” analisa.

Apesar disso, Galindo crê na manutenção do crescimento da demanda, da casa de 2% anuais. “Temos visto um significativo aumento da procura, principalmente pela modalidade robusta, presente nos cafés solúveis, mais consumidos pelos países emergentes. Isso nos leva a crer que a demanda de café para os próximos anos será ainda mais expressiva. Outro dado que nos leva a essa conclusão é a recuperação da economia americana, maior consumidora do produto”, pontua.

Para Robério Silva, um dos principais desafios da OIC para os próximos anos é a obtenção de financiamentos nos órgãos multilaterais. “O Banco Mundial, o Banco Interarmericano e a FAO podem desempenhar importante papel nesse contexto, principalmente no que se refere ao apoio ao pequeno produtor e às cooperativas, abrindo as portas para a obtenção destes recursos”, reforçou. 

Financiamento do Banco Mundial

Como se decidiu na última reunião da entidade, o Banco Mundial, em colaboração com a OIC, desenvolverá estudos sobre risco e financiamento no setor cafeeiro, visando a três grupos: governos, setor comercial e produtores. O representante do Banco Mundial apresentará relatório sobre o progresso conseguido.

Até o dia 19 de agosto de 2013, 38 projetos, em valor total de cerca de US$ 105 milhões, haviam sido financiados pelo Fundo Comum para os Produtos Básicos – FCPB – (US$55 milhões), por instituições doadoras bilaterais e multilaterais, na forma de cofinanciamento (US$29 milhões), e pelos países beneficiários, na forma de contribuições de contrapartida (US$21 milhões).

Novas propostas a serem examinadas pelo Conselho em março de 2014, durante a 112ª sessão do Conselho, devem chegar à Organização antes de 13 de dezembro de 2013.

Outros temas abordados no encontro

Foram analisados estudos sobre o risco e as principais formas de financiamento do setor cafeeiro. Especialistas convidados abordaram, ainda, a situação da agregação agrícola e uma resenha dos princípios básicos do desenvolvimento cooperativo.

Tais especialistas realizaram exercícios, usando os cenários de estudos de caso em pequenos grupos de discussão, com a assistência dos especialistas. Também analisaram a situação da agregação de agricultores e buscaram o entendimento visando à solução de problemas por campos de força, em pequenos grupos.

Projetos concluídos e analisados

O Conselho da OIC apreciou, ao longo da reunião, relatórios sobre os seguintes projetos concluídos:

– Melhoria da qualidade e comercialização do Robusta pela otimização do uso dos terrenos de café

– Acesso ao crédito para o desenvolvimento de culturas de diversificação em áreas de produção cafeeira

– Aumento da resiliência da produção de café à ferrugem e outras doenças na Índia e em quatro países africanos

– Reabilitação experimental de lavouras de café abandonadas como pequenas unidades de produção familiar em Angola

Semana Internacional do Café

A Semana Internacional do Café foi aberta na segunda-feira (09) no Expominas, em Belo Horizonte, e segue até sexta-feira (13). A visitação do público vai até o dia 12, dentro do Espaço Café Brasil. O dia 13 de setembro está reservado a visitas técnicas às principais regiões produtoras de Minas. A Semana Internacional do Café é uma promoção do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg), Sebrae, Organização Internacional do Café (OIC), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ministério das Relações Exteriores e Café Editora. O evento conta com patrocínio da Nestlé e do Sistema OCB/Sescoop/Ocemg.

Clique aqui para acessar a Declaração de Belo Horizonte aprovada no evento (arquivo em PDF). 

Fonte: Agência Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *