UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL

Muito tenho lido e estudado acerca do mercado de café e, cada vez mais, fico mais convicto que, a única forma de sairmos da situação em que estamos vivenciando a anos, é adotarmos um política de estruturação da nossa cadeia produtiva, isto porque, a longo prazo, de nada adiantaria medidas adotadas pelo governo (Pepro, preço mínimo etc), se a conscientização de nossos produtores, acerca de uma redução dos custos de produção, da reutilização dos sub-produtos do café como forma de adubos, dentre outras, não começar a despontar em suas mentes e, os fatos recentes comprovam o que venho dizendo.

Em 2010, 2011 e início de 2012, os preços pagos aos nossos produtos, atingiram patamares excepcionais, animando-os e aquecendo o mercado, fato que, deletou da memória, a crise em que nossa classe vinha enfrentando até então. Em virtude dos comentários animadores em que o mercado se encontrava, a grande maioria, ao invés de se reportarem a um controle de produção, pegaram o caminho contrário, empregando o dinheiro no plantio de novas lavouras, ignorando o fato de que, a oferta e demanda, são de longe os referenciais que mais determinam os preços do mercado.

Pensando a longo prazo, precisaríamos criar um portal nacional para cadastro de todos os produtores. Por este portal, os produtores informariam a área plantada, a média de sacas colhidas, os tipos de investimentos empregados na lavoura (irrigação, secador etc), os gastos na produção (mão-de-obra, herbicidas, fungicidas etc), certificações obtidas, dentre outras e, de posse destas informações, tomaríamos medidas específicas condizentes com a realidade de cada região.

Seria preciso também, efetuar um controle de produção por produtor, além de incentivar e apoiar o plantio de outras culturas na propriedade, gerando outras fontes de renda para o produtor. Sem querer prolongar demais, visto que se trata de um assunto extenso, em poucas palavras acima, pude mostrar que métodos nós temos de sobra, basta apenas nos organizarmos e cada um, assumir e fazer cumprir o seu papel .

* Gleison de Oliveira (gleison@capebe.org.br) – Departamento de Café da Capebe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *