Tese diferencia Megaprodutores como nova categoria do agronegócio

Imprimir
Engenheiro agrônomo e administrador Patrick Fernandes Lopes

Pequenos, médios e grandes produtores rurais. A pirâmide do agronegócio brasileiro está dividida, atualmente, nestas três categorias, conforme legislação da área. Apesar disso, como enquadrar como apenas “grandes” aqueles que têm faturamento na casa dos muitos milhões de reais? Partindo dessa necessidade, o engenheiro agrônomo e administrador Patrick Fernandes Lopes desenvolveu o estudo “Megaprodutores: uma nova categoria nos sistemas agroindustriais brasileiros”, objeto de tese de Doutorado defendida no início de 2018 junto ao Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Orientado pelos professores Luiz Gonzaga de Castro Júnior e Renato Elias Fontes, o pesquisador do Banco do Brasil e ex-coordenador do projeto Linkafé, vinculado ao Centro de Inteligência em Mercados (CIM) da Agência de Inovação do Café (InovaCafé/UFLA), partiu do pressuposto de que o sistema financeiro já trabalha de forma diferenciada com os produtores rurais com Receita Bruta Agropecuária (RBA) a partir de R$ 10 milhões. “É, no mínimo, inadequado não categorizarmos esse grupo em termos de legislação. Dentre outros pontos, destaco a necessidade da criação de políticas públicas do agronegócio voltadas às especificidades dos Megaprodutores”, reforçou Lopes.

Segundo o autor, a tese procurou provar – matemática e cientificamente – em que consiste a diferenciação dos Megaprodutores em relação aos demais produtores rurais. Sua característica principal é a de serem detentores de grande patrimônio e de possuírem perfil private. Além disso, possuem grande alavancagem financeira e operacional. Assim, demandam não apenas grandes volumes de crédito, mas também consultoria em planejamento financeiro pessoal e assessoria patrimonial, sucessória e tributária. “Estamos falando do topo da pirâmide do agronegócio brasileiro e de produtores que possuem grande potencial de liderança, inovação e coordenação das cadeias produtivas onde atuam”, completou.

O trabalho, que contou com abordagens qualitativa e quantitativa, também apresentou uma análise acerca dos “perfis de investidor” dos Megaprodutores. Os resultados obtidos apontaram para a abertura de um novo campo de estudos e podem auxiliar no aperfeiçoamento das estratégias e políticas públicas voltadas aos sistemas agroindustriais brasileiros e aos mercados de crédito rural e de private banking.

Fonte: Ascom InovaCafé

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *