Somar aponta chuvas generalizadas para cinturão cafeeiro na semana

Imprimir

Mesmo com o tempo seco da última semana, os cafezais de toda a Região Sudeste encontram-se em boas condições de desenvolvimento e até mesmo fitossanitárias. Não estão sendo observadas grandes anomalias que possam prejudicar esse início de safra ou mesmo esse início de desenvolvimento dos grãos de café. Até porque os solos das principais regiões cafeeiras de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e do Espírito Santo, apresentam níveis bastante satisfatórios de umidade, dando plenas condições ao desenvolvimento
e crescimento do “chumbinho”. Os comentários partem do boletim agrometeorológico semanal da Somar Meteorologia.

Apenas algumas lavouras do cerrado mineiro é que apresentam uma quantidade inferior de área foliar quando comparado à região sul mineira e até mesmo as áreas produtoras de São Paulo, devido a uma condição relativamente mais seca e quente dessas últimas semanas, comentou a Somar. Mas, mesmo assim, as perspectivas são de uma boa produção nessa próxima safra, com valores superiores aos registrados na safra passada, indicou.

PREVISÃO

Para essa semana, segundo a Somar, está sendo previsto o retorno das
chuvas generalizadas e em bons volumes a todas as regiões cafeeiras do Brasil, devido ao avanço de uma frente fria, que se formou no inicio da semana sobre a Argentina e Paraguai e que aos poucos irá avançar sobre o Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, onde estão sendo previstos volumes, em algumas localidades, superiores aos 100 mm. E isso irá permitir uma elevação dos
níveis de umidade do solo e, consequentemente, uma melhora nas condições de desenvolvimento dos cafezais, além de favorecer um melhor pegamento da florada e também uma melhora nas condições de desenvolvimento da planta e do chumbinho.

Por outro lado, diz a Somar, como essa segunda quinzena de outubro será com vários dias consecutivos de tempo fechado e chuvoso, os períodos de molhamento da planta se elevarão, possibilitando uma condição mais favorável à proliferação de doenças, como a cercóspora e até mesmo a phoma. As temperaturas máximas, devido ao maior percentual de cobertura de nuvens, não irão subir muito, mas as mínimas não tendem a cair tanto, comenta, mantendo-se dentro da média para a primavera.

Fonte: Safras & Mercado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *