Simpósio dos Cafés terá curso sobre gestão da propriedade cafeeira

Imprimir

Mais uma atividade confirmada para o VII Simpósio de Pesquisa dos Cafés, de 22 a 25 de agosto em Araxá (MG), é o mini-curso “Gestão da propriedade cafeeira”, ministrado pelo professor da Universidade de Lavras (Ufla), Ricardo Souza Sette, com experiência na área de Administração, atuando principalmente em estratégia, marketing e administração rural. A importância do planejamento para o bom gerenciamento de uma propriedade rural, seja ela grande ou pequena, é o ponto de partida da aula que será oferecida ao público do evento. O Simpósio é uma realização do Consórcio Pesquisa Café e, este ano, é organizado pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) e pela Ufla, com co-organização da Embrapa Café.

Onde estou e para onde vou? Essas duas perguntas são a base do planejamento para uma boa gestão de propriedade cafeeira, afirma o professor Ricardo Sette. “Planejar, organizar, dirigir e controlar. É dessa forma que se administra uma propriedade, realizando um planejamento de acordo com as possibilidades de cada um”, explica. O mini-curso vai abordar essas questões e muitos outros assuntos relacionados ao desenvolvimento gerencial de uma propriedade rural. Antes de tudo, Sette lembra a necessidade dos produtores compreenderem que todos vivem em um ambiente organizacional, que integra uma organização social de um lado, onde cada um pode assumir o papel de consumidor ou prestador de serviço, e, de outro, instituições normatizadoras, como governos e sindicatos.

Segundo o professor, qualquer produtor terá que sobreviver nesse ambiente, no caso deles como prestadores de serviço, destacando-se quem tem o serviço de maior valor. “Nesse contexto, para montar sua estratégia de ação, o produtor precisa considerar três aspectos: sua unidade produtiva, algumas variáveis do ambiente, como econômicas e sociais, e os objetivos que deseja alcançar”. Aliado a isso, acrescenta Sette, está o uso racional dos recursos físicos, humanos, financeiros e mercadológicos disponíveis ao produtor. Momento este que tem relação direta com a pesquisa, principalmente no que diz respeito à transferência de tecnologia para o campo na gestão da propriedade. “O desenvolvimento tecnológico tem que caminhar junto com o desenvolvimento gerencial”, destaca.

Para o professor, é essencial que as tecnologias sejam implementadas e que cada produtor possa identificar qual a melhor tecnologia para sua propriedade, considerando custo e benefício. Para uma boa gestão da propriedade cafeeira não há uma receita certa, um passo a passo, mais do que isso, o importante é que cada produtor saiba estabelecer o padrão de sua propriedade, para, a partir dele, traçar sua estratégia. Todo esse processo de planejamento e outros assuntos relevantes sobre o tema, assim como dúvidas e questionamentos do público, serão abordados no mini-curso do professor Ricardo Sette, na busca de “maximizar os resultados da propriedade, visando melhores benefícios com menor custo e considerando sempre a sustentabilidade a longo prazo e com respeito social e ambiental”, ressalta.

Atividades do Simpósio – O curso ministrado pelo professor Ricardo Sette acontecerá no segundo dia do Simpósio, 23 de agosto, às 14h. Além deste, na programação do evento estão confirmados outros cinco mini-cursos, oferecendo discussões variadas sobre diversos temas de interesse do agronegócio café. Palestras e painéis de discussão também estão na programação. As inscrições com desconto para o VII Simpósio de Pesquisa dos Cafés seguem até dia 15 de julho no site do evento.

Fonte: Área de Comunicação & Negócios da Embrapa Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *