Simpósio discute novas tecnologias ligadas à mecanização da cafeicultura

Imprimir

Pesquisador Gladyston Carvalho durante palestra renovação de lavouras para sistemas mecanizados.

O 3º Simpósio de Mecanização da Lavoura Cafeeira, promovido pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), em parceria com a Universidade Federal de Lavras (UFLA), abriu nessa terça-feira (19) a programação da 15ª edição da EXPOCAFÉ.
 
Segundo o engenheiro agrônomo Hélio Casale, que apresentou palestra sobre manejo mecanizado da lavoura cafeeira, nos últimos anos houve um progresso enorme no que diz respeito à mecanização da nossa lavoura. “Não se pode deixar de considerar que boa parte da motivação foi dada pela ‘abençoada ferrugem’, que entrou no Brasil cada de 1970”, disse.

Para praticar uma agricultura alternativa, que possibilite uma produtividade  sustentável “é importante o monitoramento permanente de todas as fases do processo produtivo. Quem não mede, não controla”, afirma. De acordo com o agrônomo os princípios básicos de manejo da lavoura cafeeira são resumidos em manejo das águas,  dos matos e da fertilidade e manejo das plantas. “São 52 fatores físicos, químicos e biológicos que influenciam na produção da lavoura”, diz.

O pesquisador da EPAMIG Gladyston Carvalho apresentou o tema “renovação de lavouras para sistemas mecanizados” e destacou a importância de os produtores rurais caracterizarem suas propriedades: “É importante que conheçamos nossas propriedades, se estamos numa agricultura de montanha ou adensada, por exemplo. É preciso também caracterizarmos nossas lavouras, nossas cultivares, também o solo, as pragas e doenças, os ramos, etc. O produtor precisa se inteirar desses detalhes da sua produção para obter êxito na cafeicultura”, disse.

Gladyston destacou as condições ideais para a poda em lavouras de condução manual e mecanizada. “A altura de corte depende da mecanização ou não da lavoura”, informa. Segundo o pesquisador a poda correta pode recuperar o potencial produtivo da cultivar e aumentar o potencial produtivo em até seis sacas por hectare. As podas básicas para renovação da lavoura são a recepa – a menos indicada para a mecanização, mas importante nos sistemas adensados (com espaçamento inferior a três metros) e em lavouras mais velhas; o esqueletamento; e o decote, são as mais indicadas para a lavoura mecanizada.
 
Programação EXPOCAFÉ 2012

A maior feira nacional do agronegócio café será aberta ao público nessa quarta-feira (20), às 8 horas. A abertura oficial, com presença da diretoria executiva da EPAMIG, do secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais , Elmiro Nascimento, e de autoridades regionais, acontece às 10 horas na Tenda de Eventos da EXPOCAFÉ 2012.

Dentre as atrações da feira, será realizada nessa quarta-feira, às 14 horas, a reunião do Conselho Nacional do Café (CNC), com a palestra do consultor da P&A Marketing International Carlos Brando “O futuro da cafeicultura brasileira com foco em rentabilidade e produtividade”.  Também acontecem entre os dias 20 e 22, as dinâmicas de campo nas quais empresas irão demonstrar ao público o funcionamento de mais de 30 máquinas e equipamentos. Os participantes conhecerão novidades em colhedeiras automotrizes, derriçadeiras, recolhedoras de café, trinchas, esqueletadeiras, pulverizadores, dentre outros. As dinâmicas são abertas ao público e realizadas de 8h às 17h, na lavoura cafeeira da Fazenda Experimental da EPAMIG em Três Pontas. As inscrições devem ser feitas no estande da EPAMIG.

Fonte: Ascom EPAMIG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *