Setor inicia tratativas para evidenciar a sustentabilidade da cafeicultura brasileira

Imprimir

 

 

BALANÇO SEMANAL — 21 a 25/03/2016

— Setor inicia tratativas para evidenciar a sustentabilidade da cafeicultura brasileira


No dia 18 de março, o Conselho Diretor do CNC se reuniu, em Ribeirão Preto (SP), para analisar os acontecimentos após a reunião do Conselho Internacional da Organização Internacional do Café (OIC) e, em especial, a publicação de uma ONG dinamarquesa que, irresponsavelmente e sem compromisso com a verdade, divulgou informações distorcidas e manipuladas sobre condições de trabalho e aplicação de defensivos na cafeicultura brasileira.

A esse respeito, o presidente executivo do Conselho Nacional do Café, Silas Brasileiro, comunica que a decisão dos conselheiros foi pela união de esforços da cadeia produtiva no sentido de elaborar conteúdos para a divulgação da sustentabilidade, em seu tripé econômico, ambiental e social, da cafeicultura no Brasil, de maneira que todas as ações sejam desenvolvidas e implantadas em defesa da principal atividade geradora de emprego no País, que é o café.

As sugestões iniciais são para que sejam elaborados conteúdos que demonstrem a legalidade do trabalho no cinturão cafeeiro, destacando todas as formas e etapas, desde a contratação até o exercício do labor, bem como evidenciar a sustentabilidade da cafeicultura nacional.

É importante que o setor produtivo ocupe espaço na mídia divulgando o que faz de melhor na proteção do meio ambiente e no amparo ao trabalhador. Precisamos comunicar às sociedades dos países consumidores do nosso produto que a cafeicultura brasileira exerce papel fundamental na geração de renda e apoio às economias das regiões brasileiras mais prejudicadas pela crise econômica, justamente por produzir emprego para os integrantes dessas comunidades. Outro ponto fundamental é o respeito ao meio ambiente, pois o setor aumentou os volumes ofertados via incrementos de produtividade e não de área, preservando florestas.

MINASUL — Na segunda-feira, 21 de março, em Assembleia Geral Ordinária, a associada Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha (Minasul) elegeu seus novos Conselhos de Administração e Fiscal e teve as contas da gestão 2013/2016 aprovadas por unanimidade pelos cooperados. A AGO também decidiu a destinação das sobras do exercício 2015, no total de R$ 3,459 milhões, que serão incorporados ao capital social de cada cooperado. Já na terça-feira, o conselho administrativo se reuniu para definir a Diretoria Executiva, que estará à frente da Minasul nos próximos três anos. José Marcos Rafael Magalhães foi eleito presidente e terá a seu lado os diretores Bernardo Reis Teixeira Lacerda Paiva e Guilherme Salgado Rezende.

Cientes que a nova diretoria assume o posto com propostas que visam aumentar a participação da Minasul no mercado, o Conselho Nacional do Café deseja sucesso aos novos gestores e, em especial, a Osvaldo Henrique Paiva Ribeiro, um amigo que foi exemplo à frente da presidência ao longo de quase 30 anos, permitindo que a entidade alcançasse seu atual status de uma das principais cooperativas de café do País.

MERCADO — Pressionados pela valorização do dólar e por indicadores técnicos, os contratos futuros do café arábica acumularam perdas nesta semana. Ontem, o dólar comercial foi cotado a R$ 3,6768, acumulando alta de 2,6% em relação ao fechamento da última sexta-feira. Esse movimento foi influenciado pelo cenário político nacional e pelas intervenções do Banco Central do Brasil no mercado de câmbio.

Na ICE Futures US, o vencimento maio do Contrato C foi cotado, na quarta-feira, a US$ 1,311 por libra-peso, com queda de 320 pontos em relação ao fechamento da semana anterior. O vencimento maio do contrato futuro do robusta, negociado na  ICE Futures Europe, encerrou o pregão de ontem a US$ 1.515 por tonelada, com valorização de US$ 33 em relação a sexta-feira passada.

No mercado físico nacional, os indicadores calculados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para as variedades arábica e conilon foram cotados a R$ 495,81/saca e a R$ 368,61/saca, respectivamente, com variação de -2,3% e 1,5% em relação ao fechamento da semana anterior.

A instituição informou que a queda das cotações futuras em Nova York limitou a comercialização no mercado físico brasileiro de café arábica. Já os preços da saca do conilon encontram sustentação pela situação de oferta apertada.


Atenciosamente,

Silas Brasileiro
Presidente Executivo

p1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *