Seca no ES vai afetar café por mais dois anos, prevê sindicato

Imprimir
Os efeitos negativos da seca no mercado de café devem se prolongar por, pelo menos, mais dois anos, mesmo com o retorno das chuvas, segundo prevê o Sindicato da Indústria de Torrefação e Moagem de Café do Espírito Santox (Sincafé).

A queda na produção, que antes afetava apenas a cadeia produtiva, agora causa prejuízos para o bolso do consumidor final.

De um lado, por causa da seca, os produtores rurais ficaram sem grãos para comercializar, os estoques quase zeraram e o preço da saca deu um salto, chegando a R$ 461/conilon tipo 8. A falta de produto no mercado, por outro lado, fez o preço do café subir mais de 43%, nos últimos 12 meses, nas prateleiras dos supermercados.

Os dados do Sincafé apontam que 35% dessa alta aconteceu somente nos últimos 30 dias. A explicação para isso está no fato de que, além de faltar café no mercado, a demanda pelo produto no mundo tem aumentado, em média, 5% ao ano.

Mas tem gente que não abre mão do cafezinho, como o bancário Vilker Zucolotto Pessin. “Eu tomo muito, principalmente o expresso, mesmo com o preço mais alto”, falou.

No Brasil, o crescimento anual do consumo é de 3,5%. Segundo o presidente do Sincafé, Egídio Malanquini, no Espírito Santo e no Sul da Bahia, a quebra na safra de 2016 foi de 40%. “Houve um crescimento na produção de arábica, mas que não supera a queda do conilon. Como o Espírito Santo é o segundo maior produtor, isso refletiu a nível nacional em termo de produção e preço”, explicou.

Outro efeito da quebra de safra do conilon está na mudança nos chamados blends. A indústria tem utilizado, em média, menos de 10% de conilon na mistura que chega ao consumidor. Em períodos normais de produção, essa proporção era de 45%, sendo o restante composta por café arábica.

Mercado
Por ser uma commoditie vendida no mercado internacional, o café tem o preço atrelado às oscilações no mercado externo. Como a população mundial tem consumido mais café a cada ano, e alguns países, por questões climáticas, não tiveram uma safra exitosa, o preço dos grãos subiu.

Dessa forma, as indústrias que processam e comercializam café no mercado brasileiro enfrentam a concorrência das indústrias estrangeiras, que também buscam o café brasileiro. Outro empecilho para as indústrias é o fato de o Brasil ter regras que inibem a importação dos grãos, recursos que poderiam ser uma saída para forçar a queda no preço em períodos de baixa produção – mas que é rechaçado pelo setor produtivo, que perderia em competitividade.

Como a importação em larga escala sendo algo inviável, o mercado interno tem remunerado bem, o que diminui o volume de exportações, avalia o presidente do Centro de Comércio de Café de Vitória, Jorge Luiz Nicchio. Ele alerta, porém, que a safra de 2016 vai cumprir, “em cima da risca”, a demanda de consumo interno e de exportação.

“Em 2017, vamos entrar na safra com estoque praticamente zerado”, disse. Nicchio reforça que, com a indústria tendo que pagar mais pelo café verde, o repasse do aumento para o consumidor se torna algo inevitável.

Para se ser uma ideia, em 2013 e 2014 – quando a seca ainda não era severa – 45% do café torrado e moído no Brasil era conilon. Isso quer dizer que, do consumo anual de 20 milhões de sacas, nove milhões eram de conilon.

Com a queda de safra, a partir de 2015 a indústria foi diminuindo o percentual do blend, o que também puxou para cima o preço do arábica. A produção brasileira de café em 2016 foi de 50 milhões de sacas.

Fonte: A Gazeta (Por Patrik Camporez) via G1 ES

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *