Safristas dão duro nas lavouras e elevam a grandeza da nossa agricultura

Imprimir

Com 800 mil hectares de pomares, o Brasil é o maior produtor de laranja do mundo. De cada quatro produzidas no planeta, uma sai daqui. Com o café não é diferente: com 2,3 milhões de hectares cultivados, nosso país se destaca como maior produtor mundial. Nos canaviais, o desempenho também impressiona: 9 milhões de hectares plantados e liderança na produção global de açúcar e etanol de cana.

Além de abastecer o mercado brasileiro, esses três produtos também são exportados para dezenas de países, em todos os continentes. A principal porta de saída é o Porto de Santos.

O Brasil domina um terço das vendas mundiais de café, metade do mercado global do açúcar e nada menos que 80% das exportações de suco de laranja concentrado.

Grande parte desses produtos passa pelas mãos de trabalhadores temporários, também conhecidos como volantes. Nos meses de safra, a laranja atrai cerca de 90 mil pessoas, a cana 170 mil e o café, mais de 2 milhões de colhedores.

Café
Madrugada gelada no município mineiro de Cruzília. Cinco horas da manhã e a família Gonçalves já está se preparando para mais um dia de serviço.

Os colhedores da casa são a mãe Bete, o pai Paulo e duas filhas: Natália, de 18 anos, e Gleice, de 20. Diulia, que é a mais velha, vai ficar em casa para cuidar das crianças.

Seis da manhã e a família já está na rua, à espera do ônibus da fazenda. Seis e quinze, todo mundo acomodado e a viagem começa.
O destino deste e de outros três ônibus é o município de Baependi, onde fica uma propriedade com tradição no café.

A fazenda Campo Comprido planta cerca de 450 mil pés de café. Para colher isso tudo, emprega 97 pessoas.

Assim que chega, a família Gonçalves logo se espalha pelo cafezal. Rosana, irmã de Paulo, conta que o período de safra vai de maio à outubro e quase todos os colhedores moram na própria região.
Colheita de café é um trabalho que exige agilidade e resistência, mas para Bete, o serviço não tem mistério.

Outra parte importante do serviço é abanar o café, para separar as folhas dos frutos. Depois da peneira, o café é colocado em sacos bem grandes.

Todos os trabalhadores são registrados pelo salário mínimo e ganham um complemento por produção. Na prática, enquanto um colhedor médio tira em torno de R$ 800 por mês, os craques da colheita conseguem salários bem mais altos.

Caso de José de Arantes. No mês passado, ele colheu 216 sacas de café e conta que deu para tirar R$ 2188, um bom salário, conforme avalia.

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *