Safra de café capixaba deve ser maior que do ano anterior

Imprimir

O Espírito Santo deve colher 12 milhões de sacas de café. A previsão da safra 2014/2015, feitacom base nos levantamentos do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e ExtensãoRural (Incaper) para a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), estima uma produção emtorno de 2,6% maior do que a safra anterior.

“No ano passado, a produção foi um pouco aquém do esperado. Além disso, houve chuva intensana época de florada, o que comprometeu a fertilização. Houve ainda 40 dias de seca justamente naépoca do enchimento dos grãos. Com isso, a safra foi menor do que o previsto. J`este ano, achuva veio num momento bom, no período de enchimento de grãos. As condições climáticas estãobem adequadas”, explicou Romário Gava Ferrão, pesquisador do Incaper e coordenador doprograma estadual de cafeicultura.

Do volume total que o Espírito Santo deve colher, 9,1 milhões de sacas são de cafɠconilon e 2,9milhões de cafɠarábica. Os números sànão superam a safra de 2012, quando foram colhidas 12,5milhões de sacas no Estado. Outra novidade ɠque a produtividade do cafɠcapixaba pode chegar a 28 sacas por hectare (sc/ha), superando, e muito, a média no Brasil, que ɠde 25,6 sc/ha.Atualmente, a produtividade no ES ɠpouco maior do que a média nacional (25,8 sc/ha).

“Isso mostra que o Espírito Santo possui uma das cafeiculturas mais competitivas e tecnificadas dopaís”, complementa Ferrão. O Estado continua sendo o segundo maior produtor nacional (sàperdepara Minas Gerais), e deve ser responsável por cerca de 25% da produção nacional.

Previsão de safra
A previsão de safra é feita quatro vezes por ano sendo a última, em dezembro, a mais conclusiva. Isso porque a cultura possui um ciclo longo: 10 meses desde a floração até a colheita. Neste período, diversos fatores podem interferir na produção cafeeira. São fatores abióticos, como clima, solo, temperatura, chuva, seca, entre outros; e fatores bióticos, como o ataque de pragas e doenças. Por isso, a necessidade de atualizar, de tempos em tempos, as informações a respeito da safra de café no Estado e no país.

“O preço também interfere. Se o preço é bom, se o produtor é bem remunerado, ele vai investir mais em tecnologia. Se o preço é ruim, ele desanima, diminui os tratos culturais e a produção pode cair”, complementou Ferrão. A previsão de safra leva em consideração diversos aspectos: como foi a florada do cafezal; se houve boa fertilização das flores; se o clima foi favorável e houve chuva no momento adequado; se houve ataque de pragas ou a plantação foi acometida por alguma doença; se o trato cultural e a adubação estão adequados, o que interfere no vigor da lavoura e na exuberância das plantas; entre outros.

Safra de café no ES:
2014 – 12 milhões de sacas (previsão)
2013 – 11,5 milhões de sacas
2012 – 12,5 milhões de sacas (recorde)

Folha do Espírito Santo – Cachoeira de Itapemi/ES – COLUNA BAMBAL – 25/01/2014 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *