Resultados em tecnologias marcam 12 anos da Embrapa Café em 2011

Imprimir

Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Embrapa Café foi criada para coordenar o Programa de Pesquisa em Café, do Consórcio Pesquisa Café, arranjo voltado para pesquisa e desenvolvimento sustentável da cafeicultura brasileira. Tanto na gestão do Programa quanto na realização de pesquisas próprias, a Embrapa Café completou 12 anos em 2011 demonstrando, com resultados, a importância de sua atuação para o agronegócio café. Fazer o levantamento de pesquisas, eventos, publicações e tantas outras ações da Unidade no ano passado nos mostra que os bons resultados conquistados preparam o caminho para mais crescimento em 2012.

Confira algumas das ações abaixo.
Pesquisa
Projetos com a participação de pesquisadores da Embrapa Café e recursos do Consórcio Pesquisa Café ou de outras fontes de financiamento, como Capes e o Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (Cirad/França), por exemplo, tiveram impacto no agronegócio café, no Brasil e no exterior, e fortaleceram o papel da Unidade nesse cenário.

Resultados da pesquisa “Desenvolvimento de um protocolo para produção em larga escala de mudas clonais do Coffea arabica”, feita em parceria da Embrapa Café e Fundação Procafé (MG) com o Cirad/França, foram apresentados. “O protocolo desenvolvido já vem sendo testado com sucesso”, destacou o pesquisador Carlos Henrique Carvalho. Também em parceria com a Unidade, a Fundação Procafé registrou quatro novas cultivares de café.

Junto com o Cirad/França, o pesquisador Luiz Filipe Protásio Pereira iniciou, em 2011, projeto de pesquisa que prevê viagens de cooperação técnica e intercâmbio de bolsistas entre Brasil e França com o objetivo de analisar a diversidade e a estrutura de recursos genéticos de Coffea arabica oriundos da Etiópia, para subsidiar os programas de melhoramento do cafeeiro.  O projeto é executado pela Embrapa Café, Iapar, Universidade Estadual de Londrina (UEL) e Cirad. Esta não é a primeira vez que uma parceria entre a Embrapa Café, o Iapar e o Cirad acontece. “Vários projetos e publicações nos últimos dez anos foram frutos dessa parceria”, ressaltou Luiz Filipe.

O projeto integrante do Acordo Básico de Cooperação Técnica com a Venezuela, assinado em 2007, realizou um treinamento em cafeicultura abordando a produção de mudas e o beneficiamento ecológico do café, que aconteceu em Viçosa (MG) e Venda Nova do Imigrante (ES), em junho. Pesquisadores e técnicos venezuelanos do Instituto Nacional de Investigaciones Agricolas (INIA), participaram do treinamento ministrado por pesquisadores da Embrapa Café, Incaper, UFV e Epamig.

A parceria internacional com o Centro Internacional da Ferrugem do Cafeeiro (CIFC), de Portugal, estuda as raças de ferrugem que atacam plantações de café, com excelentes resultados também para o melhoramento genético e biotecnologia. Os estudos da interação entre o patógeno causador da ferrugem do cafeeiro (Hemileia vastratrix) e a planta de café, executados pela UFV, Epamig e Embrapa Café, visam o desenvolvimento de cultivares resistentes à doença.

A Embrapa Café participa como parceira da Embrapa Rondônia no projeto que promove ações de pesquisa voltadas à cafeicultura no estado, que envolvem melhoramento genético, doenças do cafeeiro, análises da cadeia agroindustrial e ações de comunicação e transferência de tecnologia.

Instituições do Consórcio Pesquisa Café participam de um projeto estruturante com foco na valorização das diferentes regiões produtoras por meio do uso de sinais distintivos como Marcas Coletivas, Indicações Geográficas ou Marcas de Certificação para o café brasileiro. O convite foi iniciativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). A Embrapa Café participa das discussões. “O objetivo é planejar e promover uma ação conjunta e articulada para a valorização do café vinculada às suas diferentes origens geográficas. Para isso, reunimos pessoas com conhecimento e experiência na cafeicultura nacional”, disse Beatriz Junqueira, da Coordenação de Incentivo às Indicações Geográficas de Produtos Agropecuários do Ministério.

Como coordenadora da programação de pesquisa do Consórcio, a Unidade recebeu a visita do representante da Global Coffee Quality Research Initiative (GCQRI), coordenada pelo Norman Borlaug Institute for International Agriculture, Timothy Schilling, que convidou o Consórcio Pesquisa Café a integrar o grupo, ressaltando a experiência bem sucedida do arranjo brasileiro no campo da pesquisa científica do café. A iniciativa Global Coffee já conta com vários parceiros internacionais de diversos segmentos da cadeia produtiva do café.

Simpósio
2011 também foi um grande ano em termos de divulgação da produção, na realização ou apoio a eventos da cafeicultura e na participação em publicações e datas importantes para agronegócio café. O VII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil, realizado em agosto, na cidade de Araxá (MG), reuniu mais de 800 participantes. Com o tema “Articulação em Redes de Pesquisa e Novas Fronteiras do Conhecimento”, a VII edição foi promovida pelas instituições consorciadas mineiras Epamig, Ufla, UFV e da Embrapa Café.

Mês a mês

Em janeiro, na XIX Conferência Internacional sobre Genômica de Plantas e Animais, em San Diego, Estados Unidos, o pesquisador líder do Projeto Genoma Funcional do Cafeeiro, Luiz Filipe Protásio Pereira, apresentou o trabalho “Análise da diversidade de nucleotídeos em Coffea spp.", realizado em parceria com o Iapar e o Cirad (França). “Foram apresentados os principais avanços e discutidos projetos em andamento de sequenciamento de C. canephora e C. eugenioides e possíveis parcerias para sequenciamento de C. arabica, a principal espécie cultivada tanto no Brasil como no mundo.

Em março de 2011, foi realizada a 15ª edição do Simpósio de Cafeicultura de Montanha, no Parque de Exposições de Manhuaçu (MG). O evento contou com a participação dos pesquisadores da Embrapa Café, Antonio Carlos Baião e Sammy Fernandes, que trabalham em colaboração com a Epamig. Baião falou sobre cultivares de café e das características das principais cultivares de C. arabica recomendadas para o plantio e da contribuição dos programas de melhoramento do cafeeiro para o desenvolvimento do agronegócio café brasileiro e Sammy apresentou informações sobre "Reuso e aproveitamento agrícola da água residuária do café", ambas desenvolvidas com apoio do Consórcio Pesquisa Café.

Muitos eventos aconteceram em abril. Foi realizado o XIII Simpósio Brasileiro de Pesquisa em Cafeicultura Irrigada, em Araguari (MG), promoção da Associação dos Cafeicultores de Araguari (ACA), com apoio do Consórcio Pesquisa Café, da Embrapa Café e Universidade de Uberaba (Uniube), simultaneamente ao XVI Encontro Nacional de Irrigação da Cafeicultura no Cerrado e a XIV Feira de Irrigação em Café do Brasil (Fenicafé).

Resultados da pesquisa “Atividade da enzima endo-β-mannanase em sementes de café em diferentes tipos de processamentos e níveis de umidade”, liderada pela pesquisadora da Embrapa Café Sttela Veiga, foram apresentados na 10ª Conferência da Sociedade Internacional de Ciências em Sementes (ISSS). Também aconteceram o Workshop Métodos Inovativos para Garantia da Qualidade da Produção e Industrialização do Café, uma organização conjunta do Instituto de Química da UFRJ e da Embrapa Café, no Rio de Janeiro (RJ) e o I Workshop Mecanização de Coffea canephora, em Rondônia.

Em maio a Agrobrasília 2011, contou com a participação da Embrapa Café que apresentou a tecnologia Sistema para Limpeza de Águas Residuárias (SLAR).
O Dia Nacional do Café, 24 de maio, foi marcado por uma exposição na Câmara dos Deputados, em Brasília, com apresentação de tecnologias desenvolvidas pela Unidade, com apoio do Consórcio.

Ainda em maio, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) deferiu o pedido de Indicação de Procedência (IP) para a “Região da Serra da Mantiqueira de Minas Gerais” para o café produzido naquela região. Esta foi a segunda região do estado, depois do Cerrado Mineiro, e a primeira da microrregião do Sul de Minas, a obter o Selo de Indicação Geográfica, na modalidade de Indicação de Procedência para o café. Para colaborar com a identificação dos cafés de terroir produzidos na microrregião, novos projetos de pesquisa, um deles, coordenado pela pesquisadora da Embrapa Café, Helena Maria Ramos Alves, realiza a caracterização ambiental detalhada de toda a área demarcada utilizando geotecnologias.

A 14ª Expocafé, a maior feira nacional de café, aconteceu em junho, em Três Pontas (MG), uma realização da Epamig. Os pesquisadores da Embrapa Café, Carlos Henrique S. de Carvalho e Maria Amélia Gava Ferrão, apresentaram tecnologias da Unidade. Também foram expostas pesquisas e tecnologias apoiadas pelo Consórcio Pesquisa Café, como a renovação das lavouras, o zoneamento agroclimatológico, cultivares melhoradas, sistema de cultivos e de poda, conservação de vegetação nativa, diversificação de cultivos, conservação dos solos, adensamento e proteção de ventos, área de escape de geadas, café irrigado, tecnologias pós-colheita e biotecnologias.

No início de agosto, foi realizada a XV Reunião Ordinária do Conselho Diretor do Consórcio Pesquisa Café, reunindo os coordenadores institucionais das dez instituições fundadoras do arranjo na Embrapa Café, para avaliação e planejamento das ações de pesquisa.

O Aniversário de 12 anos da Embrapa Café foi comemorado no final de agosto com uma exposição na Embrapa Sede, em Brasília. O evento reuniu alguns resultados de trabalhos desenvolvidos por pesquisadores da Embrapa Café com o uso de ferramentas da engenharia genética para o melhoramento do café.

Em setembro aconteceu a primeira reunião de instituições do Consórcio Pesquisa Café, junto com Embrapa Café, Mapa e CNA, para discussão do projeto estruturante com foco na valorização das diferentes regiões produtoras. Os participantes da iniciativa se reuniram novamente em novembro.

A 37ª edição do Congresso de Pesquisas Cafeeiras, aconteceu em novembro, em Poços de Caldas (MG), com a participação dos pesquisadores da Embrapa Café, Carlos Henrique S. Carvalho e Lilian Padilha, que apresentaram um trabalho sobre o comportamento agronômico (produtividade, resistência à ferrugem) e a qualidade da bebida de trinta cultivares resistentes à ferrugem avaliadas no Sul de Minas.

Rádio e TV
Em 2011, pesquisas da Unidade foram temas de programas de rádio e TV veiculados por todo o país, respectivamente, Prosa Rural e o Dia de Campo na TV, produções da Embrapa Informação Tecnológica em parceria com a Embrapa Café.

Foram produzidos três programas Prosa Rural, atualmente veiculado em mais de 1.200 rádios no Brasil. Os temas abordados foram: “Café Seguro – como produzir grãos livres de resíduos químicos”, “Poda programada do Café Conilon” e “Café naturalmente descafeinado”.

O Dia de Campo na TV, transmitido pelo Canal Rural (por assinatura) e pela NBR (captada por parabólica), apresentou dois programas tratando dos temas: “Tecnologias para produção de café conilon” e “Mudas clonadas do cafeeiro por micropropagação”.

Fonte: Área de Comunicação & Negócios da Embrapa Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *