Queda na safra 2014/2015 já era esperada pelo setor cafeeiro

Imprimir

Segundo dados da empresa suíça Volcafé, importadora de café do Brasil, a safra 2014/2015 deve ficar em 51 milhões de sacas. Número menor do que as estimativas inciais, que traziam uma produção de 620 milhões de sacas.

O gerente da Cooperativa dos Cafeicultores da Região de Pinhal (Coopinhal), Daniel Gozzoli, do interior de São Paulo, diz já esperava que os números fossem revisados para baixo.

– O fato principal é o produtor desacreditado de sua lavoura. Ele deixou de tratar com fertilizantes, que é o principal para que a planta produza o grão. Isso reflete na produção brasileira. O produtor deixando de tratar a lavoura, fazendo decepas, recortes, arranquios de café, o que conseqüentemente diminuiria a produção de café. O produtor procurou estas alternativas em virtude do preço baixo do café – salienta.

A cooperativa recebeu em 2013 cerca de 130 mil sacas de 60 quilos de café. Para 2014, o volume deve ficar abaixo de 120 mil.

– Se não remunerar o cafeicultor, é possível que a partir de 2014 se tenha um déficit de estoque para abastecer a demanda mundial de café. Em 2013 o produtor desistiu e a consequência foi 10 milhões de sacas a menos – disse Gozzoli.
OFF3

O cafeicultor Valter Luís Belli faz parte do grupo de produtores que deve reduzir a produção este ano. Depois de conseguir excelentes produtividades nos últimos dois anos, mas com preços poucos remuneradores, que geraram prejuízos de até R$ 80 por saca, ele vai repensar o manejo.

Esse ano o produtor se dedicou ao esqueletamento das plantas da propriedade. Assim que terminou a colheita, em meados de junho de 2013, logo começou a poda drástica. As plantas estão menores, se recuperando ainda, por isso não vai ter colheita em 2014.

Para o operador de mesa do Terra Investimentos, Roberto da Costa Lima, a perspectiva de uma safra menor já mexe com os preços. Nas últimas semanas no mercado futuro, houve uma pequena sustentação de preços, que podem chegar aos patamares alcançados em 2010, quando a valorização das commodities foi mais remuneradora para os produtores.

Fonte: Canal Rural e Rural BR Agricultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *