Produtores de Carmo do Paranaíba conhecem a estrutura do setor de Cafeicultura da UFLA

Imprimir

Na quarta-feira, 17 de outubro, um grupo de produtores de café do projeto Educampo da região de Carmo do Paranaíba esteve na Universidade Federal de Lavras (UFLA) para conhecer melhor os estudos desenvolvidos no setor de cafeicultura. A visita foi organizada e coordenada pelo NECAF ( Núcleo de Estudos em Cafeicultura) que apresentou toda a estrutura da Universidade que desenvolvem projetos para o setor cafeeiro, como no CEPECAFÉ(Centro de Ensino, Pesquisa e Extensão em Cafeicultura), Departamento de Fitopatologia e CIM (Centro de Inteligência em Mercado). A troca de conhecimento entre a prática e a teoria marcou esse encontro através de debates e demonstrações práticas.

A importância da interação entre produtores e pesquisadores de uma universidade foi ressaltada Max Afonso Alves da Silva, – Consultor Técnico do Educampo Café (Assocafé – Associação dos Cafeicultores da região de Carmo do Paranaíba) que também participou da visita. “A universidade é o berço das pesquisas, onde o produtor vai encontrar tudo aquilo que procura de tecnologia para melhorar nas lavouras. Essa interação é muito boa para enriquecer a evolução da cultura.”, disse Max.

Durante a visita, foram apresentados aos produtores experimentos de café irrigado, mostrando os resultados obtidos para a produtividade, qualidade dos grãos e resistência da planta com diferentes níveis de lâminas de água. Durante a visita aos campos experimentais, os produtores trocaram experiências sobre as práticas desenvolvidas em sua região e a possibilidade de agregar esta tecnologia à cultura.

Um debate com os professores Flávio Medeiros (Sub-chefe do Departamento de Fitopatologia) e Edson Ampelio Pozza (Professor do Departamento de Fitopatologia) ressaltou as práticas de manejo de pragas e doenças, além de algumas soluções viáveis para a região.

O Centro de Inteligência em Mercado (CIM), coordenado pelo Professor Luiz Gonzaga de Castro Júnior,  também foi apresentado ao grupo de Carmo do Paranaíba, que conheceu mais sobre os projetos de disseminação de informação e análise de mercado sobre o setor cafeeiro desenvolvido pelo programa.

Fechando a visita, o  grupo foi até o Polo de Tecnologia em Qualidade do café conhecendo suas instalações e laboratórios e como são desenvolvidas as práticas de classificação, torrefação e experimentação do café. O mestrando em Ciência dos Alimentos Bruno Ribeiro preparou para esta visita uma atividade de experimentação de dois tipos de café, onde apresentava as diferenças sensoriais entre um café comum e outro especial. Os resultados foram surpreendentes, já que alguns produtores não identificaram o café especial e se interessaram pela prática.

Estiveram na universidade cerca de 60% dos produtores do grupo Assocafé (Associação dos Cafeicultores da região de Carmo do Paranaíba), como afirma Max Afonso Alves da Silva. De acordo com ele, a participação de produtores pode aumentar de acordo com os resultados levados de um dia de visitas para o dia-a-dia no campo.

Lucas Bicalho, estudante de agronomia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e Presidente do NECAF ( Núcleo de Estudos em Cafeicultura) afirma que “Essa aproximação  tem um efeito muito grande na disseminação do conhecimento.” Além disso, Lucas também afirmou que este trabalho de abrir as portas da universidade para os produtores é uma solução para produtores que buscam conhecer as novidades dentro do setor cafeeiro.

Fonte: Polo de Excelencia do Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *