Produtores de café sofrem com preço baixo do produto na Zona da Mata

Imprimir

Produtores de café em São Miguel da Anta, na Zona da Mata, sofrem com o prejuízo nas vendas. Devido a alta oferta no mercado, o produto está sendo vendido a preços mais baixos.

A colheita do ano já terminou no município e a safra não foi satisfatória. De acordo com o produtor Geraldo Donizete, para produzir uma saca de café o gasto médio está em R$ 260. Nessa temporada, ele colheu 1.200 sacas de café tipo catuaí. As primeiras vendas, com produtos de melhor qualidade, saiu por R$ 248. No fim do período, a venda chegou apenas a R$ 222. "O dinheiro não está sobrando, eu estou tirando do bolso. Nesse ano, estou pagando para trabalhar", comentou o produtor.

Para manter a produção, Geraldo disse que precisará solicitar empréstimos ao banco, o que ainda não resolve o problema. "O que adianta eles emprestarem o dinheiro se não há mercado, não há garantia de preço? Como vou pagar o banco?", questiona.

O Governo do Estado ofereceu um programa para tentar ajudar os produtores com a comercialização do café. A iniciativa oferece a opção ao produtor de reservar as sacas, vendendo 60 quilos do produto ao valor de R$ 343, com comércio somente em março de 2014. Porém, para alguns produtores esses contratos não têm muita validade para auxílio de renda. "Como é que vou receber ano que vem se preciso do dinheiro essa semana? Não tem como", reclamou o produtor José Irineu.

A agrônoma da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) do Estado de Minas Gerais, Janaína Lisboa, alertou que mesmo com o projeto do Governo os produtores ainda terão prejuízo na colheita. "Apesar dos produtores ainda usarem a mão-de-obra familiar, na hora da colheita do café é preciso contratação extra, o que requer pagamento para os trabalhadores. Então, neste ano, infelizmente, a situação dos cafeicultores de São Miguel está bem prejudicada."

Fonte: G1 Zona da Mata

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *