Produção de café conilon aumenta no Espírito Santo

Imprimir

A colheita de café conilon (robusta) no Espírito Santo, maior produtor nacional da espécie, começou no fim de abril, mas até agora só chegou a 5% do volume total previsto, de acordo com Romário Ferrão, coordenador do programa de café do Estado e pesquisador do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).

Segundo Ferrão, a colheita até agora é de lavouras cultivadas com variedades mais precoces de conilon. Os trabalhos devem ganhar força este mês, quando de 45% a 50% da produção estará colhida – o volume restante das precoces deverá ser concluído em junho. Em julho e agosto, ocorre a finalização da colheita das variedades mais tardias do grão.

Diante do volume ainda pequeno de café conilon colhido, ainda não é possível avaliar a qualidade do grão e o tamanho exato da safra. Mas Ferrão diz que as fortes chuvas no Espírito Santo em dezembro do ano passado não atingiram de forma significativa as lavouras de café conilon no norte do Estado, região que concentra a maior produção capixaba da espécie. "Onde não houve alagamentos, a chuva foi benéfica. A planta se recuperou bem", disse.

Além disso, em janeiro e fevereiro deste ano, quando várias regiões produtoras de café no país foram afetadas pela seca, as principais regiões produtoras de café conilon do norte capixaba receberam chuvas isoladas, embora também tenham registrado altas temperaturas.

Como a produção de café conilon no Estado foi menor no ano passado em decorrência de problemas climáticos na floração e seca no início de 2013, a expectativa é que a colheita este ano seja muito próxima à de 2012/13, ciclo de grande volume produzido, conforme o pesquisador do Incaper.

Assim, a colheita de conilon em 2014/15 no Espírito Santo poderá se situar entre 9,3 milhões e 9,5 milhões de sacas, de acordo com estimativas preliminares, ante uma colheita recorde de 9,7 milhões de sacas em 2012/13. No ano passado (ciclo 2013/14), a produção foi de 8,2 milhões de sacas, conforme dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Somente a região sul do Espírito Santo foi afetada pela seca. Mas essa região representa somente cerca de 15% da produção total de café do Estado e onde há também cultivo de arábica.

Sobre o café arábica, a projeção preliminar é de perda média de 18% a 20% na produção no Estado este ano frente à temporada anterior (2013/14), levando-se em conta previsões de quebra da safra nacional divulgadas por alguns órgãos, em função da seca, afirma Ferrão. A produção de café arábica no Estado deverá ficar em torno de 2,7 milhões de sacas, ante 3,5 milhões de sacas em 2013.

Fonte: Valor Econômico

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *