Procafé: Não antecipe a adubação no cafezal, adube na época certa

Imprimir
Com a retomada do período chuvoso o cafeicultor logo pensa em adubar suas lavouras de café. No entanto, ainda não é a época certa para iniciar a adubação.

O ciclo vegetativo e produtivo do cafeeiro começa agora, com o aumento das temperaturas e o suprimento de água ao solo, pelas chuvas.

As plantas estão vindo de um período de repouso, depois da colheita, e sofreram um stress hídrico, neste ano mais severo. Os cafeeiros desfolharam e, ainda, por efeito do forte stress, perderam, por morte, muitas raízes finas. Então, a adubação feita muito cedo vai encontrar poucas raízes disponíveis para a absorção dos adubos aplicados, podendo, assim, em parte, serem lixiviados e/ou mal aproveitados.

Além disso, a necessidade inicial de nutrientes, sendo pequena, pode ser suprida pelos resíduos de nutrientes que sobraram do ciclo anterior. Esses nutrientes sobem, de camadas mais profundas, para as mais superficiais, por capilaridade, da seguinte forma – com a secagem do solo nas primeiras camadas, em cima, a água disponível, mais profunda, sobe por corrente de capilaridade, com ela trazendo nutrientes dissolvidos.

Alguns Técnicos supervalorizam a necessidade nutricional para a floração do cafeeiro, mas as pesquisas não mostram isso (tab.1). Com base nos teores encontrados na análise química das flores, e para uma produtividade de 30 scs/ha, correspondem cerca de 270 kg de flores secas/ha, o que significaria uma exigência de apenas 7,9 Kg de N, 0,73 kg de P e 5,5 kg de K por ha.

A recomendação atual é de fazer a 1ª adubação 20-30 dias após a florada principal, o que, normalmente, coincide no inicio de novembro. Depois mais 2 parcelas, em final de dezembro e meados de fevereiro.

Além da época correta, que aqui alertamos, deve-se prestar atenção na fonte dos nutrientes, na dose e modo de adubação, considerando os resultados de análises, que mostram a disponibilidade no solo, a umidade presente na hora de adubar e a necessidade de cada lavoura.

Tabela 1- Resultados de análise química de flores de cafeeiros, Varginha (MG), 2014

J.B. Matiello e S. R. Almeida – Engs Agrs Fundação Procafé

Fonte: Fundação Procafé via Notícias Agrícolas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *