Procafé: Combinação de variedades de café permite facilidade na colheita

Imprimir

A colheita de café pode se tornar mais fácil quando as  propriedades possuem  uma combinação de variedades, com plantio de materiais com  diferentes graus de maturação dos frutos.

A colheita é a operação mais onerosa em cafezais, podendo representar de 15-30% do custo total de produção, se feita mecanicamente ou de forma manual. Ela é importante, também, pois, através do modo e da época de sua execução, condiciona a qualidade da matéria prima, os frutos do café, sendo ideal colher a maior parte de frutos maduros ou cerejas.

A adoção de variedades ou cultivares de café, em uma determinada região ou propriedade, deve considerar as características das plantas em si, sua produtividade, vigor, porte e resistências e, ainda sua  adaptação às condições ambientais e de manejo presentes no local. Além desses aspectos, uma  particularidade inerente à variedade, a qual vem sendo  pouco observada, pelo Técnico que recomenda e pelo Cafeicultor,  diz respeito à época de maturação dos frutos.

Existem variedades com cafeeiros cuja maturação dos frutos ocorre de forma precoce, intermediária e tardia. Assim, uma determinada propriedade deve buscar o plantio e exploração de materiais de diferentes graus de maturação, possibilitando o inicio da colheita mais cedo, nos lotes de cafeeiros com maturação precoce, depois os médios e no final os tardios. Com isso o produtor vai economizar no volume de mão-de-obra, de maquinário e de instalações, pois pode ampliar o período de colheita, não precisa usar maturadores e, ainda, vai poder colher mais frutos cereja, com vantagem na qualidade final dos cafés colhidos.

Na escolha das variedades tem havido menores opções de materiais de maturação mais precoce. Nessa categoria tem-se  a Catucai 785-15, a Beija-Flor, a Bourbon amarelo e a Icatu 3282, além da IAC 125 ou IBC12. De maturação precoce a média tem-se todos os Mundo Novos e os Catucais amarelos. De maturação tardia temos os Catuais e híbridos como Topázio, Rubi, Ouro verde e Ouro bronze, os IBC-Palmas, Guará, Bem-te-vi vermelho, Sabiá, Japy e Acauã novo e um pouco mais tardios tem-se  Arara e Acauãs no geral (Acauãma, Asabranca e outros). Uma boa combinação de variedades, observada eficiente na prática, em lavouras comerciais do Sul de Minas, tem sido o plantio de  lotes de Catucai amarelo (2Sl, 24/137 ou 20/15) e outros talhões de Arara.

Nas regiões mais quentes, onde a maturação é mais acelerada, é preciso ter cuidados especiais de adubação mais cedo e proteção contra cercosporiose,  para os cafeeiros  de materiais genéticos de maturação precoce, os quais se estressam mais nessas condições.

 

a33cf1e57159a2f80fa1e4b8e07cf655

 

Fonte: Procafé/Notícias Agrícolas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *