Preços do Mercado Físico chegam a R$500,00 por saca em Minas Gerais na Sexta-Feira

Imprimir

Mercado físico brasileiro vive seu momento “pop star”. Descola positivamente do referencial externo, com bebida dura virtualmente negociada a R$ 500 a saca. E mesmo com os diferenciais mais estreitos no FOB exportação, por conta da retranca vendedora, não consegue dar paridade para exportador, o que indica que se trata de um “mercado de buraco”. A necessidade de compra de algumas empresas leva a alta dos preços, diante do sumiço de vendedor, em particular daqueles que ainda tem café melhor de bebida. A alta de 0,35% no dólar comercial contribuiu com valorização.

No Sul de Minas mercado firme. Comprador necessitado de qualidade segue agressivo. Reportadas 2.157 sacas da Cocatrel para a N.S.Guia a R$ 497 com 16% no começo do dia. Fim da tarde melhor indicação de compra a R$ 495, com vendedor começando a estudar alguma coisa aR$ 500.

O cereja descascado (CD) é indicado na compra a R$ 510, com a Santa Clara pagando até R$ 520 se alcançar padrão. Muitas empresas não estão entrando nessa ciranda altista, preferindo comprar cafés médios com 25% de catação e bom aspectos entre R$ 440 a R$ 450. Mesmo sendo mais difícil vender. Reportadas também 690 sacas de rio de Três Pontas para a Forzza a R$ 287 com 12% de catação.

No Cerrado mineiro firme e curto de negócios. Segue ideia entre R$ 470 a R$ 480 para café com maior percentual de catação. Já os lotes com menor catação de bebidas melhores giram na faixa de R$ 490 a R$ 495, talvez até a R$ 500 para umcafé muito fino.

Indicação de CPR para setembro a R$ 470 para padrão BM&F e a 450 para tipo 6 duro. Referência para Sul e Cerrado de Minas, como também para a MogianaemSão Paulo.

Zona da Mata oferta curta trava negócios. Bebida dura na faixa de R$ 460 a R$ 465, dependendo da necessidade e qualidade. Bica duro-riada em torno de R$ 425 a R$ 430 para riado leve. Despolpado nominal a R$ 500. E o rio gira em torno de R$ 265 com algum interesse.

No Espírito Santo poucos negócios e preços praticamente estáveis. Conillon tipo 7 mantido a R$ 206 e tipo 6 nominal a R$ 210. Arábica rio em torno R$ 245. Ideia para fixação de safra nova de conillon a R$ 200 para tipo 7/8 com entrega e pagamento em maio.

Em Rondônia parado, como é usual na sexta-feira. Conillon de 400 defeitos mantido a R$ 195 na porta da fazenda.

Fonte: Safras & Mercado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *