Preços do café não voltam mais para os patamares anteriores

Imprimir

O mês de janeiro chegou ao fim com os preços das principais commodities agrícolas negociadas no mercado doméstico ainda dentro da trajetória de alta iniciada em meados do ano passado.

Até mesmo as cotações do milho e do boi gordo, que haviam recuado em dezembro, voltaram a subir e de forma acentuada, conforme cálculos do Valor Data que levam em consideração os contratos de segunda posição – normalmente os de maior liquidez – negociados na BM&FBovespa.

O gado criado em confinamento elevou a oferta de animais para abate entre outubro e dezembro de 2010, fato que pressionou os preços. Com o término do abastecimento dos frigoríficos com esse tipo de animal, a oferta voltou a cair, fazendo com que os preços subissem novamente no mês passado.

"Muitos animais que ficariam prontos para o abate agora acabaram indo para os frigoríficos em dezembro por conta dos bons preços pagos", afirma Élio Micheloni, analista da Icap.

O recorde nos volumes exportados em 2010 e os mais de 6 quilos de café consumidos por cada brasileiro no ano passado – maior patamar já registrado pela indústria nacional – fizeram os preços subirem novamente.

Com a valorização de janeiro, foi o oitavo mês consecutivo em que as cotações subiram no Brasil sem qualquer interrupção. "Os preços do café não voltam mais para os patamares anteriores.

Os níveis de negociação foram alterados e já não é mais possível analisar o mercado apenas olhando para o que aconteceu no passado", afirma Eduardo Carvalhaes, diretor do Escritório Carvalhaes. Mesmo com a alta, o analista diz não ver uma corrida no Brasil ou outro país produtor, para ampliação de áreas para café.

"Vejo investimentos para aumento de produtividade e redução de custo, mas novas áreas não". O nervosismo das bolsas internacionais tem influenciado diretamente os preços dos grãos no mercado doméstico.

Tanto a soja quanto o milho estão sendo sofrendo na BM&FBovespa os efeitos gerados pelas incertezas climáticas na América do Sul, especialmente na Argentina

Fonte: Agnocafe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *