Preços do café caem na bolsa de Nova York

Imprimir

A volta do Carnaval não foi nada "festiva" para os produtores de café. As cotações despencaram na Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures), que baliza o valor da commodity no mundo, e o mercado brasileiro acompanhou o movimento.

De acordo com relatório divulgado pela empresa de consultoria em agronegócio Safras & mercado, enquanto no Brasil só houve mercado a partir da quarta-feira, a Bolsa de Nova York não trabalhou no dia 16 – feriado do Dia do Presidente nos Estados Unidos), mas retomou as atividades na terça-feira e, nesse dia, as cotações despencaram 4,6% no contrato maio, batendo nos patamares mais baixos em um ano.

As indicações de chuvas para o cinturão cafeeiro do Brasil na semana foram determinantes para as quedas da terça-feira passada, trazendo ao mercado maior tranqüilidade quanto às condições climáticas para a safra deste ano. Embora se saiba que houve quebras para a produção de 2015, que estará longe do seu potencial, as previsões de melhora na umidade acabam determinando perdas instantâneas na bolsa nesta época de "mercado de clima".

Ainda no dia 17, a baixa ganhou intensidade diante do primeiro dia de notificação de entrega física do contrato março (que foi no dia 19 passado) na ICE Futures. Além de vendas para liquidação de contratos de agentes do mercado em geral, origens também entraram vendendo para encerrar operações de hedge.

Dólar – Outro fator importante para as perdas da semana foi a alta do dólar contra o real, que pressiona os preços na bolsa por trazer ainda maior competitividade às exportações brasileiras. As perdas do petróleo e de outras commodities contribuíram para o movimento vendedor também no café, como visto na quinta-feira passada.

No balanço da semana até quinta-feira, o café arábica caiu 8,3% na Bolsa de NY no contrato maio, recuando de 166,50 no fechamento do dia 13 para 152,65 centavos. Em Londres, as perdas do robusta foram menores, com o contrato maio na Bolsa acumulando baixa de 2,3%.

Segundo o analista de Safras & Mercado Gil Barabach, diante da pouca ajuda do dólar, que subiu cerca de 1,2% na semana no comercial, o impacto negativo sobre o preço do café no mercado físico brasileiro foi bastante significativo. No balanço da semana no mercado físico brasileiro de café, o arábica bebida boa no sul de Minas Gerais acumulou queda de 6,8%, caindo de R$ 515,00 a saca do dia 13 para R$ 480,00 a saca na quinta-feira passada.

Com essas perdas no mercado, aqui no Brasil "o resultado prático foi o sumiço dos vendedores e o esvaziamento das negociações. Agora, o produtor junta os cacos e tenta entender o que aconteceu. Os que aproveitaram o repique da semana passada estão um pouco mais tranqüilos. Já os demais lamentam a chance perdida e aguardam nova oportunidade", comentou o analista.

Barabach indica que o "mercado de clima" segue dando as cartas. A chegada das chuvas explica o efeito negativo sobre as cotações. A base de comparação é o ano passado. "Nesse sentido, as chuvas de fevereiro seriam o prenúncio de uma safra melhor esse ano. Agora resta esperar que as projeções confirmem ou não esse sentimento", comentou.

Fonte: Diário do Comércio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *