Preços do café brasileiro estão firmes no mercado europeu

Imprimir

Os diferenciais de preços para os cafés brasileiros foram mais uma vez reforçados no mercado da Europa nesta semana, em parte devido à falta de ofertas de vendas do maior produtor mundial, uma vez que as perspectivas da safra do país ainda não estão claras, disseram comerciantes nesta sexta-feira.

"O tamanho da safra brasileira é uma questão de discordância entre compradores e vendedores", disse um trader. "Há pouco consenso sobre o tamanho da safra brasileira, os produtores não têm pressa para vender e os diferenciais estão firmes porque a origem está segurando a oferta."

Os grãos MTGB do Brasil foram cotados em torno de 12 centavos abaixo do contrato setembro do arábica na ICE de Nova York nesta sexta-feira, contra 14 centavos abaixo na semana anterior e 20 centavos menos duas semanas atrás.

"Eu acho que as torrefadoras e os comerciantes resistiram fortemente aos diferenciais brasileiros mais altos nesta semana", disse outro trader. "Muito difícil a nova safra ter sido ofertada, de qualquer maneira, foram oferecidas apenas cargas antigas."

A colheita de café no Brasil chegou a 63 por cento do total previsto até 26 de julho, um aumento de 55 por cento ante a semana anterior, mas atrás dos 75 por cento verificados na mesma semana no ano passado.

Enquanto isso, vendas pesadas do maior exportador de robusta, o Vietnã, fizeram com que os diferenciais do robusta caíssem acentuadamente.

"Parecia haver um desejo de limpar o estoque apenas três meses antes da nova safra no Vietnã", disse outro comerciante.

"Os vietnamitas vieram subitamente muito ansiosos para vender e os preços despencaram."

"A demanda por robusta na Europa é fraca, com a incertezas sobre a economia global e a crise da zona do euro não incentivando os importadores a comprar uma cobertura extra, mesmo com preços mais baixos."

O Vietnã foi oferecido a 15 dólares acima do contrato de setembro do robusta em Londres na sexta-feira, queda de 40 dólares ante a semana passada e de 50 dólares nas últimas duas semanas.

Em outros arábicas, os diferenciais da Colômbia também caíram, com o Colômbia Excelso com queda de 1 centavo na semana, a 13 centavos sobre contrato de setembro de Nova York.

"Apenas em junho os diferenciais da Colômbia estiveram 20 centavos acima de Nova York", disse um comerciante.

"Há notícias melhores sobre a safra da Colômbia e, após um longo período de problemas de colheita, os negócios com a nova safra começam a ocorrer."

Fonte: Agência Estado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *