Preço do café recua para mínimas de 14 anos em NY

Imprimir
Os contratos futuros do café tiveram uma semana de queda significativa nos mercados internacionais, recuando para os menores valores em 14 anos. O recuo foi estimulado pela percepção de agentes de que há melhoras na perspectiva para a safra 2020 do Brasil, com o clima, até o momento, não impactando os cafezais.

De acordo com esses agentes, as precipitações ocorridas nas últimas semanas no cinturão cafeeiro do país induziram a abertura de floradas, o que, conforme especulam, pode ser benéfico para o desenvolvimento de uma boa colheita.

Por outro lado, o presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), Silas Brasileiro, alerta que é muito cedo para quaisquer prognósticos a respeito da safra 2020.

“É necessário o acompanhamento do clima muito de perto, pois essas floradas que abriram precisam de chuvas contínuas para o pegamento e o futuro vingamento em chumbinhos”, explica.

O tempo, porém, deve voltar a ficar firme em todo o Sudeste a partir deste final de semana, devido à atuação de uma massa de ar seco, que inibe a formação de nuvens carregadas.

Segundo a Somar Meteorologia, a previsão é que a temperatura permaneça em ascensão na principal região cafeeira do Brasil, com possibilidade de leve chuva apenas na faixa litorânea do Espírito Santo.

O dólar comercial também impactou o desempenho das commodities. A moeda encerrou o pregão de ontem a R$ 4,1236, acumulando ganho de 1,6% no acumulado da semana.

Na segunda-feira, 7, a divisa registrou sua maior variação diária desde 19 de setembro, influenciada por denúncia que poderia agregar detalhes ao processo de impeachment do presidente dos EUA, Donald Trump.

Também favoreceram o movimento do dólar durante a semana as tensões comerciais entre os norte-americanos e a China, além da frustração com a adesão de investidores estrangeiros ao IPO da joalheria brasileira Vivara e a deflação do IPCA de setembro, de 0,04%, que induz a possibilidade de novos cortes da taxa Selic.

Na Bolsa de Nova York, o vencimento dezembro 2019 do contrato “C” acumulou desvalorização de 550 pontos na semana, encerrando o pregão de ontem a US$ 0,9350 por libra-peso. Na ICE Europe, o vencimento novembro 2019 do café robusta fechou a US$ 1.257 por tonelada, com perdas semanais de US$ 35.

Fonte: Assessoria de Comunicação CNC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *