Preço do café atravessa boa parte de 2019 enfraquecido, mas reage no final do ano, avalia Cepea

Imprimir
Após atravessarem boa parte de 2019 em patamares baixos, os preços dos cafés arábica e robusta subiram com força nos últimos meses do ano, conforme indicam dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Até o mês de outubro, os valores estavam enfraquecidos, influenciados por perspectivas iniciais de oferta ainda confortáveis no ano safra de 2019/20. No geral, agentes se mantiveram afastados do mercado em grande parte desse período, negociando apenas quando os preços reagiam, cenário verificado especialmente em junho e setembro.

Já em novembro, segundo levantamentos do Cepea, os preços passaram a registrar expressiva recuperação, principalmente os do arábica. Este cenário, por sua vez, esteve atrelado à menor oferta de cafés finos, a preocupações quanto à disponibilidade do grão em 2020, a ganhos técnicos dos futuros de ambas as variedades, à maior demanda e ao dólar mais elevado.

ARÁBICA – Diante das perspectivas iniciais de oferta confortável, os preços do arábica recuaram no primeiro semestre, com o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 bebida dura para melhor operando abaixo dos R$ 400/saca de 60 kg em alguns meses. Vale apontar que esse quadro fez com que a média da safra 2018/19 (de julho/18 a junho/19), de R$ 430,56/saca, fosse a mais baixa desde a temporada 2001/02, em termos reais (os preços foram deflacionados pelo IGP-DI de novembro/19).

Já no final deste ano, o Indicador do arábica voltou a fechar entre R$ 500 e R$ 570/sc de 60 kg, se aproximando dos valores reais observados do início de 2017. Na parcial da safra 2019/20 (de julho/19 a dezembro/19), a média do Indicador do arábica foi de R$ 454,70/saca, elevação de 1,4% em relação à do mesmo período da temporada 2018/19, em termos reais.

Segundo pesquisadores do Cepea, a recuperação dos preços refletiu a baixa oferta de cafés finos da safra 2019/20, devido às chuvas e ao risco de geadas em junho e julho. Posteriormente, com o desenvolvimento da safra 2020/21, novas preocupações quanto ao clima surgiram. As altas temperaturas e o baixo nível pluviométrico resultaram em quedas de algumas flores e, em seguida, de chumbinhos e debilitaram os cafezais. Ainda que o retorno das chuvas em novembro tenha permitido boa recuperação das lavouras de arábica, novas apreensões quanto à oferta no curto prazo impulsionou as cotações.

Além do Brasil, houve diminuição de oferta de cafés bons a finos em origens como Colômbia e América Central nesta temporada, devido a questões climáticas e a menores tratos nas lavouras, em decorrência dos baixos preços da commodity. A oferta mais restrita destes cafés, inclusive, levou a queda dos estoques da Bolsa de Nova York (ICE Futures) no final do ano, contribuindo para o forte avanço das cotações externas.

A forte reação nos preços em novembro elevou o ritmo de comercialização de cafés, tanto no físico (temporada 2019/20) quanto para entrega futura (safras 2020/21 e 2021/22). Esse cenário, por sua vez, deixou agentes atentos quanto à disponibilidade de cafés em 2020 e reforçou o movimento de alta.

ROBUSTA – Além da produção recorde no Brasil em 2019/20, a colheita de uma safra 2019/20 ainda volumosa no Vietnã (30,5 milhões de sacas, segundo o USDA), maior produtor mundial de robusta, também pressionou as cotações do grão. Esse cenário levou a forte desvalorização do robusta ao longo do ano, com os preços do tipo 6 operando entre R$ 280 e R$ 290/saca de 60 kg em muitos meses.

Assim, a média do Indicador CEPEA/ESALQ do robusta tipo 6 peneira 13 acima, a retirar no Espírito Santo foi de R$ 295,90/sc na parcial da safra (de julho/19 a dezembro/19), baixa de 13,4% frente ao mesmo período da temporada anterior, em termos reais.

Ainda que de forma menos expressiva que o do arábica, os preços da variedade também tiveram recuperação ao longo do segundo semestre, com o Indicador voltando a fechar acima dos R$ 300/sc a partir de novembro.

EXPORTAÇÕES – Apesar da menor produção em 2019/20, os embarques registraram bom desempenho, com volumes próximos dos da temporada 2018/19, que foi recorde. Segundo o Cecafé (Conselho de Exportadores de Café), na parcial desta safra (de julho/19 a dezembro/19), os embarques totais (considerando-se grão verde, torrado moído e solúvel) somam 17 milhões de sacas e os de café verde (arábica e robusta), 15,3 milhões, praticamente estável (+0,2 e +0,04%, respectivamente) em relação ao mesmo período da temporada anterior (2018/19).

Fonte: Cepea (Análise retrospectiva do mercado cafeeiro elaborada pelo Cepea. Equipe: Dra. Margarete Boteon, M.e Renato Garcia Ribeiro, Laleska Moda, Caroline Ribeiro e M.a Fernanda Geraldini)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *