Para maioria dos capixabas quebra na safra 2016 de conilon deve ficar entre 30 e 80%

Imprimir
Por Thais Fernandes

Até 57% dos produtores de café conilon em Espírito Santo apontaram queda entre 30 a 80% em suas produções neste ano. O número é alarmante e foi indicado pelos próprios cafeicultores durante a Pesquisa CaféPoint Colheita Cafeeira Safra 2016. O levantamento levou em consideração mais de 500 respostas enviadas de diversas regiões produtoras, além de comentários e fotos enviadas de quem vive o dia a dia do campo.

“É preciso verificar o quanto o clima afeta a safra e estudar as melhores maneiras de prevenção e tratos”, pondera a diretora de Conteúdo da Café Editora, Mariana Proença que apresentou os dados da Pesquisa durante o Fórum da Agricultura Sustentável, na Semana Internacional do Café (SIC). O trabalho contou com o apoio da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que fez uma análise dos resultados a ser publicada em breve.

Espírito Santo: seca prolongada
Com base em depoimentos de produtores que o site CaféPoint acompanhou a crise hídrica do estado que mais produz conilon no Brasil, o Espírito Santo. Em outubro de 2015 o estado capixaba chegou a restringir o uso de água na agricultura. “Cultivo o conilon no Norte do Espírito Santo e, como se sabe, a crise hídrica assolou a região como um todo. Os muitos problemas na captação de água para irrigação afetaram as plantas e os frutos, caindo em qualidade e quantidade. Resultando numa quebra de safra em média de 40%”, afirmou Renato Zacche Ramos, ainda no mês de julho de 2016.

Foto do leitor Emanoel Chequetto / Lavoura de conilon no Espírito Santo
Foto do leitor Emanoel Chequetto / Lavoura de conilon no Espírito Santo

Ao fim da pesquisa, já eram 98% dos produtores do estado que afirmavam que o volume de chuvas havia ficado abaixo da média durante enchimento dos grãos. “Inúmeras lavouras já estão tão depauperadas que torna-se inviável sua recuperação. A seca sentida agora, infelizmente ainda será lembrada pelos próximos anos”, avaliou o produtor Aylton Piona Coutinho Junior, do município de João Neiva. O resultado é que o nível de satisfação dos produtores capixabas de conilon foi o mais baixo em relação a todas as outras regiões produtoras avaliadas, ficando em 89% deles insatisfeitos.

Sul de Minas: chuvas na colheita
Já na maior região produtora de arábica do País, cafeicultores vivenciaram uma boa safra em volume, mas com preocupação no que se refere à qualidade. “Aqui no Sul de Minas, Muzambinho, foi um desastre. Com as chuvas, caíram 30% dos frutos no chão, fora a chuva de granizo. O café passou de verde para maduro, perdendo a qualidade”, relatou o produtor Ricardo Luiz Campedelli, de Muzambinho (MG).

Foto: Procafé / Frutos e folhas no chão após chuva no Sul de Minas
Foto: Procafé / Frutos e folhas no chão após chuva no Sul de Minas

As chuvas durante a colheita foram registradas por 65% dos produtores do Sul de Minas ainda quando seus cafés ainda estavam na lavoura, apontou a Pesquisa. O fato acarretou em queda de frutos no chão em cafezais de diversos municípios. A amostragem revelou que 48% dos produtores tiveram que recolher entre 16 e 30% de seu café do chão.

Fonte: CafePoint

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *