O crescimento da demanda global de café hesita, o Brasil o elo mais fraco

Imprimir

O crescimento da demanda global de café está abrandando nas economias emergentes, freando as expectativas brasileiras de ultrapassar os Estados Unidos no topo do consumo mundial da bebida.

A Ásia continua a liderar a crescente demanda por café, mas os temores sobre a desaceleração da economia chinesa reduzem as taxas de crescimento observadas ao longo dos últimos anos.

"Os países asiáticos estão impulsionando o crescimento do consumo no café, mas o problema é que as economias em dificuldade vão abrandar o crescimento verificado na última década, especialmente na China e na Índia", disse Stefan Uhlenbrock, analista sênior da FO Licht.
Kona Haque, chefe de pesquisa da ED&F Man, disse que esperava a permanência da força do crescimento do consumo de café na Ásia e na África, mas que a qualidade da bebida podem cair onde os consumidores sofrem mais com a desaceleração económica.

Entre as economias emergentes, que levaram o crescimento da demanda de café nos últimos anos, o Brasil é hoje o elo mais fraco, disseram operadores.

O comércio de café tem prendido por muito tempo a visão de que Brasis rápida expansão econômica nos últimos anos iria impulsionar-lo para ultrapassar os Estados Unidos para se tornar o maior consumidor mundos, enquanto ele também é o maior produtor de café do mundo.

Mas agora essas expectativas foram colocadas em espera.

"O Brasil é uma das áreas onde podem ser necessários ajustes de consumo", disse Haque. "O Brasil vai lutar para ver o crescimento do consumo na escala que estava vendo."

Carlos Mera, analista sênior de commodities do Rabobank, disse: "Até um ano atrás estávamos todos esperando o Brasil a superar os EUA e se tornar o maior país consumidor de café do mundo. Mas isso não vai acontecer tão logo, como esperávamos."

Nathan Herszkowicz, diretor-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), disse à Reuters que não espera que o consumo de café local pare de crescer no Brasil nas condições econômicas atuais.

"Não é provável cair tanto, mas deve ficar estável em 20,3 milhões de sacas, o que é o que era no ano passado", disse ele. "Houve uma queda na demanda de alguns segmentos como restaurantes e cafés, com pessoas saindo menos."

A F.O. Licht espera que o consumo mundial de café cresça de 1 a 1,5 por cento em 2015/16, em comparação com 1,5% em 2014/15 e 2% em 2013/14.

A Rabobank prevê um crescimento global de consumo de café de 1,6 por cento em 2015, abaixo dos 1,7 por cento em 2014 e 2,7 por cento em 2013.

A Organização Internacional do Café estimativa que o consumo tem crescido a uma média de 2,3 por cento ao ano desde 2011.

The Economic Times – NOVA DELI- Noticias – 09/10/2015 – 08:01:31

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *