Nova safra brasileira de café somará 51,75 mi sacas, indica previsões

Imprimir

A colheita de café arábica 2013/14 do Brasil, que começa em poucas semanas, deve atingir cerca de 51,75 milhões de sacas de 60 kg, e a qualidade deve melhorar na comparação com o ano anterior, indicou uma mediana das previsões apontadas por sete cooperativas, exportadoras e analistas nesta segunda-feira.

O setor cafeeiro do maior produtor mundial está colhendo as recompensas de uma onda de investimentos que ocorreu quando os preços pairaram sobre níveis mais elevados, entre meados de 2010 e meados de 2012, com muitas plantas-recém plantadas atingindo uma idade produtiva.

A safra 2013/14 vem em um ano de menor produção, um "ano de baixa" no ciclo bianual brasileiro, no qual as plantas são mais produtivas em um ano e menos no seguinte. Mas a queda ante a enorme produção do ano passado parece menos pronunciada nesta temporada.

"Eu acho que será um pouco menor do que no ano passado, mas não muito, porque você tem novas plantações entrando em produção", disse o gerente da exportadora Três Marias, em São Paulo, Roberto De Camargo Ticoulat.

Os pesquisados pela Reuters se mostraram, em geral, otimistas com o tamanho da safra e também com a qualidade, que segundo eles seria de alto padrão, a menos que chuvas nos estágios iniciais da safra danifiquem partes das lavouras.

A Conab (companhia do Ministério da Agricultura) divulgará uma nova estimativa oficial para a safra de café na terça-feira de manhã, atualizando sua primeira estimativa para a colheita, divulgada em janeiro, que foi de 47 a 50,2 milhões de sacas de arábica e robusta.

PREOCUPAÇÃO
Duas regiões podem apresentar problemas nesta safra: o Estado do Espírito Santo, que produz café robusta, e a região de altitude mais ao norte, na Bahia, onde a seca foi forte e os cafezais podem ter a produtividade reduzida.

A produção da Bahia pode cair cerca de 30 por cento, para 1,8 milhão de sacas, ante os 2,5 milhões previstos inicialmente, disse o presidente da cooperativa Assocafe, João Paulo Lopes.

A seca no norte do Espírito Santo pode reduzir em cerca de 2 milhões de sacas uma colheita estimada inicialmente em 9 a 10 milhões, disse o gerente da cooperativa Coogabriel, Edimilson Calegari.

De qualquer forma, mesmo no nível mais baixo das estimativas, a safra 2013/14 deve registar o maior nível de uma safra de "ano de baixa".

As expectativas de uma grande colheita têm pesado sobre os futuros do arábica há meses, pressionando o contrato referência da commodity nos EUA para uma mínima de três anos a 1,3270 dólar por libra-peso no final de abril.

Fonte: Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *