Nova metodologia para avaliar sementes de café é testada

Imprimir

Pesquisas desenvolvidas Embrapa Café e Universidade Federal de Lavras (UFLA) – instituição participante do Consórcio Pesquisa Café cujo programa de pesquisa é coordenado pela Embrapa Café – trazem contribuições importantes para a validação de nova metodologia de avaliação da germinação de sementes de café em tempo reduzido. “Durante os estudos foi testada metodologia para diversas cultivares e diferentes níveis de qualidade. A partir dos resultados apresentados, a equipe de pesquisadores envolvida na investigação dessa nova metodologia dará início ao processo de validação do novo teste de germinação de sementes de café e posterior indicação para publicação nas Regras de Análises de Sementes”, adianta a pesquisadora Sttela Dellyzete Veiga Franco da Rosa.

A pesquisadora enfatiza a importância desses estudos para o processo de validação da nova metodologia de avaliação de sementes de café. “Para propor e legitimar uma nova metodologia há um longo caminho a ser seguido, desde a definição da metodologia até a verificação de sua validade e eficácia para outras cultivares e diferentes níveis de qualidade, uma vez que implica mudanças nas regras oficiais de análise de sementes. O desenvolvimento e a definição da metodologia foram realizados de 2006 a 2008 durante treinamento na Ohio State University – OSU, nos EUA”.

Para café, o teste atualmente descrito nas regras oficiais de análises demanda um período de 30 dias. Esse tempo é considerado longo, atrasando e onerando a comercialização das sementes e posteriormente a formação das mudas. “Assim, a redução do tempo do teste é altamente favorável, do ponto de vista técnico, econômico e científico, dando maior flexibilidade, otimização e autonomia às atividades do sistema de produção, bem como às atividades de pesquisa sobre a propagação dessa espécie”, explica Sttela.

Além disso, segundo a pesquisadora, o teste de germinação de sementes de café vem sendo apontado como ferramenta importante no controle de qualidade de grãos de café para a produção da bebida. Resultados recentes de pesquisas comprovam a correlação entre parâmetros químicos e sensoriais com variáveis da qualidade fisiológica e bioquímica dos grãos de café. “Assim, há evidências de que o teste de germinação poderá ser utilizado como um marcador fisiológico da qualidade de bebida do café, dando ao produtor uma opção a mais para a tomada de decisão sobre os destinos de lotes de café, em função da qualidade. Em contrapartida, poderá ser exigido mais do produtor de sementes, inclusive melhores padrões de germinação”.

A pesquisa foi realizada em estudo de Mestrado do estudante da UFLA Gabriel Castanheira, sob a orientação da pesquisadora da Embrapa Café.

Fonte: Embrapa Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *