Nespresso: os 8 passos desde o grão até à cápsula

Imprimir

O processo demora meses, passa por vários países, envolve agricultores locais e o café viaja quase sempre de barco. A NiT conta-lhe tudo o que se passa com o café que bebe em casa.

Ainda hoje é o drama de muita gente: sai de Portugal e não encontra um café de jeito para beber. A verdade é que nos últimos anos, a coisa melhor significativamente, muito por culpa da Nespresso que democratizou o uso das máquinas por todo o mundo e levou a todos os países um dos melhores cafés produzidos mundialmente. A marca apela ao glamour (Clooney, mulheres bonitas, está a ver?), à urbanidade, a ambientes cosmopolitas, mas a verdade é que a maior parte dos utilizadores não sabe que antes de chegar às cápsulas o café teve de ser colhido há muitos meses, atravessou vários países, fez viagens de barco.

A NiT esteve presente na apresentação do "The Positive Cup", o programa de sustentabilidade da empresa, onde os responsáveis da Nespresso – o diretor de mercado Stefano Goglio e a embaixadora da marca Marta Mimoso – explicaram todo processo de produção de café.

Contamos-lhe os oito passos que os grãos de café têm de passar depois de saírem da Índia, do Quénia ou da Colômbia – a maior fonte de café da empresa.

Passo 1: Cultivo
Com os locais de plantação já escolhidos, a marca trabalha com agricultores locais que cultivam e cuidam dos cafeeiros, as plantas do café, até as bagas estarem prontas para serem recolhidas.

As condições das zonas de cultivo são decisivas para o resultado final do café. Há que ter em conta as propriedades do solo, a altitude e o clima da região. Por isso é que o café vindo da Etiópia vai ter um sabor diferente daquele que tem origem na Guatemala. A planta do café é cultivada entre os 17 e os 27 graus.

Passo 2: Colheita
É feita manualmente e com uma seleção rigorosa. Os agricultores só apanham as bagas maduras.

Passo 3: Processamento
Énesta fase que a baga se transforma no café verde. Os métodos de processamento servem para remover os desperdícios da colheita e as várias camadas exteriores do grão.

Para se obter o café verde, os grãos são mergulhados em água durante 16 a 36 horas até incharem e ficarem moles. Uma máquina separa o grão da polpa e depois são fermentados. Após este processo, ficam a secar ao Sol durante três semanas, em tabuleiros enormes.

Passo 4: Transporte
O café vem de todo o mundo para a Europa em sacos de 60 quilos. A maioria vem de barco – quando chegam ao continente são de novo verificados para ver se ainda cumprem os padrões de qualidade porque são sensíveis à humidade e aos odores.

Se forem aprovados, são enviados para o centro mundial de produção da Nespresso em Avenches, na Suíça.

Passo 5: Mistura
Já na grande fábrica de café da marca da Nestlé, a mistura serve para conjugar os vários grãos consoante a sua origem, pelas suas propriedades específicas –o aroma, a delicadeza e a qualidade do creme.

Passo 6: Torrefação
Nesta fase, o café verde é torrado e torna-se castanho, como os grãos a que estamos mais habituados a ver. A temperatura e a duração do processo variam novamente conforme as zonas de origem. Os grãos ficam inchados e o teor de cafeína aumenta.

Passo 7: Moagem
Assim que o café estiver torrado, está pronto para ser reduzido em pó, num silo sem oxigénio.

Passo 8: Sistema de Cápsulas
Quando estiver moído, basta colocá-lo nas cápsulas de alumínio que todos conhecemos. O café fica protegido do ar, da humidade e da luz.

Depois, já sabe como funciona. Compra as cápsulas, coloca-as na máquina e esta prepara o café. A partir de 1 de março, vai poder estar sentado no sofá com o seu smartphone enquanto o café é feito, com a nova máquina “Prodigio”.

Fonte: NIT Portugal (Ricardo Farinha)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *