Néctar produzido pelo ingá é alternativa contra pragas do cafeeiro

Imprimir

Pesquisas realizadas no município de Araponga, Zona da Mata Mineira, apontam o plantio consorciado de café com plantas que possuem nectários extraflorais (estruturas produtoras de néctar que não estão diretamente relacionadas à polinização), como o ingá, como alternativa para aumentar o controle natural de pragas.

O estudo orientado pela pesquisadora da EPAMIG Madelaine Venzon, indica que plantas de café próximas às árvores de ingá são mais protegidas contra o ataque de pragas. "A importância desta pesquisa está em demonstrar que os nectários extraflorais de uma planta podem proteger também as plantas vizinhas", afirma Madelaine.

Café cultivado em sistema agroecológico. Foto: Paulo Lima – EPAMIG

A pesquisa, realizada por meio de uma parceria entre a EPAMIG Zona da Mata e Universidade Federal de Viçosa, foi desenvolvida pela estudante de doutorado em entomologia da UFV, Maíra Queiroz Rezende e propõe o controle biológico conservativo como forma de combater pragas e reduzir o uso de agrotóxicos na agricultura. A técnica consiste na manipulação do ambiente por meio do plantio de espécies que possam beneficiar predadores e parasitoides (inimigos naturais das pragas) fornecendo a eles alimentos e locais de refúgio. "Os nectários extraflorais funcionam como um mecanismo indireto de defesa da planta. Os inimigos naturais são atraídos pelo néctar e acabam protegendo a planta contra potenciais herbívoros e contra as principais pragas do café, como o bicho-mineiro e a broca-do-café", informa a pesquisadora.

Os experimentos foram realizados junto a cafeicultores que já utilizam o cultivo agroecológico em sistemas agroflorestais, no qual o café é consorciado com outras espécies vegetais. Esses sistemas começaram a ser implantados em 1993, por meio de parceria com o Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata (CTA). A pesquisa contou com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig/ Programa Pesquisador Mineiro), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Um artigo sobre o tema foi publicado no volume 188 do periódico Agriculture, Ecosystems & Environment de abril de 2014. Trata-se de uma revista internacional de Pesquisa Científica com foco na interação entre Agroecossistemas e Meio Ambiente, publicada pelo Grupo Elsevier.

Fonte: Assessoria de Comunicação Epamig

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *