Na Serra da Mantiqueira, fazendas de café artesanal abrem suas portas com degustação

Imprimir
Cadeia de montanhas que se estende por três estados (São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro), a Serra da Mantiqueira é famosa não só por suas majestosas paisagens naturais, incluindo alguns dos picos mais altos do Brasil — como o das Agulhas Negras, que ultrapassa 2.700 metros de altitude — e belíssimas fontes de água mineral, mas também por registrar, em sua região, eventos de importância histórica da economia brasileira, com cidades que fizeram parte dos Ciclos do Ouro e do Café. Agora, parte desta história — e seu legado — está acessível ao público: pequenos produtores de café artesanal estão abrindo suas propriedades a turistas para mostrar a complexidade da produção do grão, seus diferentes aromas e sabores, e oferecer degustação, harmonização e passeio pelas plantações.

A BELEZA DOS CAFEZAIS DA SERRA DA MANTIQUEIRA

lavoura vista aerea 1As fazendas de café da serra da mantiqueira abriram as portas para visitação e degustação. Além da bebida, os locais têm belas paisagens Foto: Ricardo Martins

Vêm destes locais e experiências as imagens do livro “Cafés da Mantiqueira”, do fotógrafo paulista Ricardo Martins. Ele já havia registrado a serra outras duas vezes, quando foi convidado para visitar uma produção de café artesanal na cidade mineira de Cristina, em 2019. A experiência “sensacional” o motivou a publicar a obra, que incluiu visitas a mais de 23 fazendas da região durante dois meses, entre maio e junho de 2020:

— Fui surpreendido pelos passeios e pela experiência de degustar o café. É um produto que está tão presente no nosso dia a dia que não pensamos muito sobre. Mas há um universo de sabores e formas de produção a serem conhecidos. É uma experiência que vale muito a pena, parecida com a visita a uma vinícola, em que você conhece desde as plantações de uvas até o produto final, o vinho, e como se chega ao sabor desejado. A serra é linda e a experiência de degustar olhando para as fazendas no pôr do sol é indescritível.

Em cada parada, conta Martins, uma curiosidade ou experiência diferente. Na cidade de Heliodora, em Minas, a Fazenda Grota Quitéria foi inspirada na geografia do sítio arqueológico de Machu Picchu, no Peru, recortando o terreno acidentado, para o plantio dos cafezais. Ao fim do passeio, dá para degustar o café com queijo, também produzido na propriedade. Na Fazenda São José, em São Sebastião da Bela Vista, Minas, o pôr do sol garante o clique perfeito para a fotografia. No caminho para as propriedades, mirantes no município mineiro Pedralva dão um panorama geral das montanhas da Mantiqueira.

Nas páginas do livro, com um QR Code, é possível acessar os vídeos que mostram como cada imagem foi feita.

lavoura café paisagem 3Secagem de grãos na serra da mantiqueira Foto: Ricardo Martins

Sete fazendas de café para visitar na serra da mantiqueira

Algumas fazendas retratadas no livro do fotógrafo Ricardo Martins estão abertas para visitação pública, seguindo os protocolos de segurança da pandemia do novo coronavírus. Até por conta disso, é necessário agendar a visita com antecedência, com limite para o número de pessoas em cada passeio. Martins selecionou sete locais que estão com as portas abertas para experiências sobre a produção do café na Serra da Mantiqueira. Em alguns locais, o acesso é feito apenas com carros 4 x 4, oferecidos pela propriedade. O preço varia de acordo com o número de participantes no tour, mas a média é de R$ 50 por pessoa. O guia de turismo local Francisco Lemos diz que maio é a melhor época para visitar a região, por ser a temporada de maior seca. Também é o melhor período para quem deseja acompanhar a colheita, feita a partir do mês em questão.

Sítio Boa Vista do Engano (Caconde, SP): “De propriedade da Roberta, produz um café especial que foi servido para o Papa Bento XVI. Na própria fazenda existe um cantinho todo especial, onde a Roberta recebe os visitantes e prepara uma degustação de cafés feitos em diferentes processos”. cafebazilli.com.br

Serra da Careta (Baependi, MG): “Localizado no topo da Serra da Mantiqueira, de propriedade do Samuel, produz o Tequila Café. Da plantação, você tem uma vista linda para um vale onde o café tem sabor peculiar, é possível sentir um aroma suave de ‘limão’ quando o grão é colhido”. tequilacafe.com.br

Fazenda Sertãozinho (Botelhos, MG): “Marque uma visita pela grande plantação e se deslumbre com um jequitibá de 1.500 anos localizado bem no meio dos pés de café”. joserenato@fazendasertaozinho.com.br

Sebastião Afonso (Cristina, MG): “É a única no mundo que ganhou duas vezes como o melhor café do mundo. A plantação é lindíssima. Você consegue conhecer a fazenda, o Seu Sebastião e provar um café premiado”. familiafonso.com.br

Fazenda da Pedra (Cristina, MG): “A Fazenda da Pedra, que também é histórica, é interessante de conhecer não apenas pela beleza do local, mas também por ser uma pioneira na produção dos cafés especiais da região”. bit.ly/2N5UezF

Fazenda São Sebastião (São Tomé das Letras, MG): “Uma fazenda lindíssima de conhecer e que tem um turismo muito bonito. A plantação tem ‘ruas’ bem largas, então você consegue andar de carro pela fazenda inteira. O visual no fim da tarde acompanhando o Sol se pôr lentamente no horizonte atrás da plantação é uma cena de filme e vem acompanhada de um café todo especial feito na hora. Toda essa experiência faz parte do pacote oferecido aos seus visitantes”. bit.ly/2ZsCQHP

Fazenda Santo Antônio II (Santa Rita do Sapucaí, MG): “Eles vêm se preparando para hospedar, no segundo semestre deste ano, seus clientes confortavelmente dentro da fazenda, levando seus hóspedes para um mergulho intenso nos cafés especiais durante o fim de semana, desde a visita nas plantações, passando pelo processo de secagem, até as degustações com tipos diferentes de café”. lucasalckmin@hotmail.com

SERVIÇO
Encantos Tur. O serviço receptivo da cidade de Cristina, em Minas gerais, oferece passeios pelas fazendas da região. O tour inclui almoço mineiro e temático de café e, em algumas opções de pacotes, é possível conhecer cachoeiras e outros atrativos naturais da Serra. Contato com Francisco Lemos, conhecido na região como “Chokito”: (35) 9716-4897

Fonte: O Globo