Na dosagem correta, café é uma ótima opção no dia a dia

Imprimir

Cafezinho fresco pela manhã ou à tarde. Poucos são os brasileiros que não têm esse costume diário. Mas muito além do sabor, o café, quando ingerido na dose certa, se transforma em uma importante bebida para o organismo humano.

Segundo o Conselho Regional dos Nutricionistas do Paraná, o ideal é consumir quatro xícaras de café ao dia. Além da tradição brasileira de consumir o café, uma média de 4,81 quilos de café por habitante em 2010, o Brasil também é um ótimo produtor, sendo uma das bebidas mais produzidas e comercializadas.

De acordo com o último levantamento realizado pelo Ministério da Agricultura, no dia 28 de fevereiro deste ano, os estados com maior potencial de produção são: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Paraná, Rondônia, São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais.

As espécies Arábica e o Robusta são as mais produzidas no Brasil. Segundo a professora do Departamento de Ciências e Tecnologia de Alimentos da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Maria de Toledo Benassi, o café não contém apenas a cafeína, estimulante mais conhecido, mas também possui outras proteínas, tais como trigonelina, diterpenos, alguns compostos aromáticos e melanoidinas.

Ainda de acordo com a professora, as espécies podem conter proporções diferentes de substâncias. “O café Arábica e o Robusta possuem esses compostos, mas em diferentes proporções. Por exemplo: no geral o café Arábica tem menos cafeína que o Robusta”, explicou.

Em exceção das gestantes, após consumir o café, a professora salientou que muitos pesquisadores estão concluindo que a cafeína, quando ingerida em doses pequenas, tem proporcionado bons resultados ao organismo humano, principalmente pelo seu efeito antioxidante. “No geral, podemos dizer que a maioria dos pesquisadores hoje considera que existem poucas evidências de risco a saúde e consideráveis evidências de benefícios para adultos saudáveis no consumo moderado de café”, concluiu.

A pós graduada em Ciência de Alimentos da UEL, Josiene Alessandra Vignoli, em sua tese apresentada na obra “Efeito da Matéria Prima e do Processamento nos Compostos Bioativos e na Atividade Antioxidante do Café”, a capacidade antioxidante está atribuída a diferentes compostos, principalmente pelos ácidos clorogênicos, caféico e ferúlico.

A cafeína e as melanoidinas também são antioxidantes. Entretanto, esse efeito depende da quantidade absorvida pelo intestino. Josiane destacou a importância do processo de liofilização do café solúvel. Esse processo é responsável por manter o maior número de nutrientes e aroma na bebida. Segundo Josiane, alguns métodos de produção e até a embalagem podem fazer com que o produto perca a qualidade. “Os cafés liofilizados são de melhor qualidade.

Além dos aromas, outros compostos termolábeis (que degradam a altas temperaturas) também podem ser perdidos, dependo da produção”, informou. O processo de liofilização ocorre da seguinte maneira: o extrato é congelado a temperaturas inferiores a 30ºC. Triturado em moinhos, o café é conduzido para câmaras à vácuo, removendo a água por sublimação. Assim, se torna liofilizado, rico em nutrientes e aroma.

Fonte: AgnoCafe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *