Momento histórico para a cafeicultura de Muzambinho e região

Imprimir

Cafeicultores da região estão perto de começar a vender café direto para a República de San Marino, na Europa. No dia 29, o Consul Geral e Decano do Corpo Consular em São Paulo, Giuseppe Lantermo Torre di Montelupo, representante da Câmara Ítalo-brasileira de Comércio, Indústria e Agricultura, esteve em Muzambinho para lançar o selo de certificação do café e do Sammarinese Blend. O evento social e de negócios aconteceu no Restaurante Cesário’s.

Para negociar o café no mercado externo por um preço melhor, um grupo de vinte produtores quer investir na venda direta. Daí surgiu a busca por um selo de uma certificadora brasileira, sendo esta uma exigência do comprador externo. Os produtores estão recebendo apoio para divulgar o café do Sul de Minas na Europa. Em agosto, representantes do Consulado de San Marino também estiveram em Caconde/SP. No município, eles também conheceram a produção e estimularam a venda direta do produto, sem atravessadores. Os produtores de Muzambinho acreditam que ainda este ano, cerca de 1000 sacas sejam exportadas para San Marino.

Vale destacar que San Marino é um dos menores países do mundo e está localizado numa região central da Itália. Ocupa uma área de 60 quilômetros quadrados e tem uma população de 30 mil habitantes. É a república mais antiga do mundo, fundada no ano 301. Apesar do número reduzido de moradores, San Marino recebe mais de 3,5 milhões de turistas por ano, sendo um público que já conhece a qualidade do café produzido no Sul de Minas.

SELO DE CERTIFICAÇÃO
O ID Café é uma nova certificação. Uma nova maneira de produzir e pensar café. Neste contexto, a produção deve ser ecologicamente correta, economicamente viável, socialmente justa e culturalmente integrada.

O ID Café é um selo garantidor de que a propriedade certificada atende ao Sistema de Cafeicultura Sustentável – SCAS. Tem por missão otimizar a gestão normativa da produção sustentável de cafés especiais, fomentando a preservação da natureza, assim como o bem estar social e econômico das comunidades envolvidas e a preservação das identidades culturais locais e regionais. É necessário o aumento da eficiência produtiva, sem o aumento de área de produção, sempre em harmonia com o meio ambiente, promovendo o bem estar social e a busca de novas oportunidades de mercado para o produtor. O ID Café vem ao encontro dessas necessidades, promovendo às propriedades certificadas orientações seguras e diferencial de qualidade no mercado. Como diferencial, prevê completa rastreabilidade com código de barras e código QR.

UMA GRANDE OPORTUNIDADE
Falando com exclusividade à nossa reportagem, o Consul Giuseppe Lantermo explicou que o consulado é um ente institucional. Ou seja, não pratica o comércio. Por outro lado, favorece os encontros econômicos possível entre o pais que representa (San Marino) e o país onde se encontra (Brasil). Relatou que há dois meses, o empresário Alfredo Eduardo (da empresa Santa Inês) fez uma visita a San Marino, quando foi recebido pelo Ministro da Indústria. Na ocasião, foi declaro o interesse em desenvolver uma distribuição para a Itália e Europa dos cafés rastreáveis do Brasil.

Giuseppe Lantermo argumentou que San Marino é um pequeno país e não tem nenhuma vantagem e nem capacidade de entrar na luta das milhares de toneladas. Diante disso, o país procura importar um café de alto valor técnico de qualidade, se tornando um “trampolim” para toda a Europa.

O Consul acrescentou que, através de um café de qualidade, o produtor da região passa a contar com um preço mais elevado. ‘Temos que colocar na Europa um café de alta qualidade”, disse. Segundo ele, a Itália é o maior mercado europeu do café brasileiro. Portanto, com o desembarque em San Marino, é possível abrir um ninho de mercado bastante positivo. Até porque San Marino faz parte do Mercado Comum Europeu e usa o Euro. “É uma entrada privilegiada e os brasileiros saem na frente”, falou.

Giuseppe Lantermo também destacou o diferencial na qualidade do café produzido na região. Trata-se de um café de montanha. Através do selo de certificação e da rastreabilidade, existe uma grande chance de sucesso no mercado europeu. Revelou que apresentou a ideia e os amigos de Muzambinho aceitaram o desafio, saindo na frente.

Falando sobre o carinho e admiração pela região, o Consul revelou que já possui residência em Caconde/SP. Também destacou o grande potencial do Brasil para o turismo, revelando seu conhecimento sobre o país.

PARCERIA POSITIVA AO PRODUTOR 
O produtor e empresário muzambinhense Alfredo Eduardo revelou que a iniciativa e contato com o Consul de San Marino aconteceu durante encontro em sua propriedade. Na ocasião, foram apresentadas ao Consul algumas certificações sobre a sustentabilidade da propriedade. Assim, observou que se trata de um novo mercado, com sustentabilidade, preservando a ecologia. Concluiu, então, que San Marino poderia ser um pólo difusor dos cafés especiais na Europa. A ideia foi abraçada, sendo apresentada aos produtores da região durante o evento realizado em Muzambinho nesta semana. Para ele, é uma oportunidade para que os produtores possam exportar o café de forma direta, alcançando melhores preços no mercado internacional.

Alfredo Eduardo acredita que o momento é histórico para a cafeicultura de Muzambinho. Até porque o produtor vem sofrendo com os baixos preços do produto no país e com o alto preço dos insumos. “Acho que esta parceria chega num momento certo”, disse. Explicou ainda que o Blend Sammarinese foi desenvolvido em função da demanda de mercado. Já o selo ID Café vai dar amparo à qualidade do produto na Europa.

Fonte: A Folha Regional

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *