Mini-curso capacita estudantes da UFLA sobre regulagem de pulverizadores

Imprimir

A temporada de pulverização na lavoura cafeeira só deve acontecer depois que passar a colheita, mas sempre é tempo de preparação. Cerca de 60 estudantes de graduação e pós-graduação participaram de um mini-curso sobre regulagem de pulverizadores utilizados na cafeicultura, ofertado dentro da programação do VII Ciclo de Palestras em Cafeicultura, promovido pelo Núcleo de Estudos em Cafeicultura da Universidade Federal de Lavras (NECAF/UFLA). O treinamento aconteceu nas lavouras experimentais da Universidade e foi ministrado pelo professor de Cafeicultura da UFLA, Virgílio Anastácio da Silva.

Uma tarefa que parece simples envolve um conjunto de informações e detalhes que se não forem levados em consideração poderão colocar em risco a eficiência da pulverização. Com experiência de mais de 10 anos como instrutor do SENAR/MG em treinamentos de aplicação de defensivos e operação e manutenção de tratores, o professor Virgílio orienta o produtor a ficar atento para conseguir o resultado de aplicação desejada.

Segundo seus ensinamentos, existem tecnologias que o produtor pode utilizar para monitorar esta eficácia, como o uso de cartão hidrosensível para a amostragem da aplicação. Outro fator importante a ser observado está relacionado ao tempo de vida útil dos produtos conforme o pH da calda de pulverização. Isto porque cada produto tem um pH ideal para a sua máxima eficiência. Os estudantes que participaram do treinamento receberam uma tabela para conferência do pH indicado para uma série de produtos utilizados na cafeicultura.

O curso contou com simulações utilizando o pulverizador ARBUS 400 acoplado ao trator e um pulverizador costal motorizado. Foram demonstradas regulagens de bicos para cada atividade, com suas especificidades para o caso de inseticidas, herbicidas e fungicidas. Segundo Virgílio, para cada tipo de aplicação existe uma série de fatores a serem observados, como o tipo de bico, a vazão, a dosagem, a pressão de pulverização, a velocidade de deslocamento e a faixa de pulverização. “Qualquer erro em um desses fatores poderá comprometer a aplicação e o produtor estará jogando dinheiro fora”, reforça.

Fonte: Polo de Excelência do Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *