Minas Gerais sai na frente na primeira fase do 12º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café

Imprimir

Na 1ª etapa do concurso, lote de Araponga recebeu a melhor nota de Qualidade do Café do Júri Técnico. Faltam agora duas etapas que poderão alterar o ranking final: a nota de Sustentabilidade e a pontuação do Júri Popular, formado por consumidores.

O Júri Técnico do 12º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café, reunido na terça-feira (01/12), no laboratório do Centro de Preparação de Café, do Sindicafé – São Paulo, na capital paulista, avaliou os 11 lotes finalistas dos melhores cafés de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Espírito Santo e Bahia, todos finalistas dos respectivos certames estaduais.

O melhor café pela Qualidade Global foi o do produtor João da Silva Neto, da cidade de Araponga, em Minas Gerais, que obteve a nota de 8,70 pontos, em uma escala de 0 a 10, considerado excepcional pelo Júri Técnico. Além da melhor nota do concurso, esse café foi campeão na categoria Cereja Descascado.

O café com melhor nota de Qualidade Global na categoria Natural foi o do produtor José Alexandre Abreu de Lacerda, da cidade Dores do Rio Preto, do Espírito Santo, que obteve a nota de 8,33 pontos. E na categoria Microlote a melhor nota foi obtida pelo café produzido por Maria Aparecida Maciel Gomes, na cidade de Japira, no Paraná.

Esta primeira etapa do Concurso ABIC teve por objetivo classificar os 11 finalistas pelas notas de Qualidade Global dos cafés, avaliados segundo a metodologia de analise sensorial utilizada no PQC – Programa de Qualidade do Café, da ABIC, que desde 2004 certifica e monitora os produtos existentes no mercado interno. O Júri foi composto por técnicos e especialistas dos laboratórios credenciados pela ABIC para realizarem as analises do PQC.

Novas regras
As notas de Qualidade Global, no novo formato do Concurso ABIC, terão peso igual a 70% da nota final, que ainda será complementada por notas de Sustentabilidade de cada propriedade cafeeira, e pela avaliação dos Júris Populares. Formados por grupos de consumidores, esses júris ajudarão a avaliar os cafés segundo o gosto popular nas cidades de São Paulo, Belo Horizonte, Londrina, Vitoria e Salvador. Estas duas etapas terão peso de 15% cada na nota final de cada um dos lotes, o que poderá alterar a pontuação dada pelo Júri Técnico.

A divulgação do resultado final, que considera estas três avaliações – Qualidade Global, Sustentabilidade e Júri Popular – inicialmente prevista para 11 de janeiro, poderá ser antecipada pela ABIC para dia 16 de dezembro.

Conforme já agendado, de 12 a 19 de janeiro será realizado o leilão dos lotes, aberto a torrefações, cafeterias e pessoas jurídicas de todo o país. Esses cafés serão posteriormente industrializados e chegarão aos supermercados e lojas gourmet em meados de abril, compondo a 12ª Edição Especial dos Melhores Cafés do Brasil.

1a Etapa – CLASSIFICAÇÃO  JURI TÉCNICO

 

Cat

Nome

Propriedade

Cidade

UF

QG

1°

CD

João da Silva Neto

Jardim das Oliveiras

Araponga

MG

8,70

2°

ML

Maria Aparecida Maciel Gomes

Sítio Fortaleza

Japira

PR

8,60

3°

CD

Eloir Inocência Nogueira de Souza

Sitio Dois Irmãos

Pinhalão

PR

8,55

4°

ML

Rafael Giolo

Fazenda Olhos D´água

Pedregulho

SP

8,52

5°

ML

Miguel Messias

Sítio Bom Jardim

Muniz Freire

ES

8,49

6°

CD

Luiz Benicio Santos Torres

Fazenda Santa Helena

Itambé

BA

8,34

7°

N

José Alexandre Abreu de Lacerda

Sítio Córrego

Pedra Menina

Dores do Rio Preto

ES

8,33

8°

CD

Alexandre Provêncio

Santa Jucy Agroindustrial

Cássia dos Coqueiros

SP

8,26

9°

N

Ceres Trindade de Oliveira Santos

Sítio São Joaquim

Joaquim Távora

PR

8,25

10°

N

Paulo Rogério P. Marchi

Sitio Santa Rosa

Serra Negra

SP

8,17

11°

N

Eufrásio Souza Lima

Sítio Boa Vista

Barra do Choca

BA

7,98

CLASSIFICAÇÃO POR CATEGORIA – Notas Júri Técnico

NATURAL

 

Cat

Nome

Propriedade

Cidade

UF

QG

1°

N

José Alexandre Abreu de Lacerda

Sítio Córrego

Pedra Menina

Dores do Rio Preto

ES

8,33

N

Ceres Trindade de Oliveira Santos

Sítio São Joaquim

Joaquim Távora

PR

8,25

N

Paulo Rogério P. Marchi

Sitio Santa Rosa

Serra Negra

SP

8,17

4°

N

Eufrásio Souza Lima

Sítio Boa Vista

Barra do Choca

BA

7,98

CEREJA DESCASCADO

 

Cat

Nome

Propriedade

Cidade

UF

QG

CD

João da Silva Neto

Jardim das Oliveiras

Araponga

MG

8,70

2°

CD

Eloir Inocência Nogueira de Souza

Sitio Dois Irmãos

Pinhalão

PR

8,55

3°

CD

Luiz Benicio Santos Torres

Fazenda Santa Helena

Itambé

BA

8,34

CD

Alexandre Provêncio

Santa Jucy Agroindustrial

Cássia dos Coqueiros

SP

8,26

MICROLOTE

 

Cat

Nome

Propriedade

Cidade

UF

QG

ML

Maria Aparecida Maciel Gomes

Sítio Fortaleza

Japira

PR

8,60

2°

ML

Rafael Giolo

Fazenda Olhos D´agua

Pedregulho

SP

8,52

ML

Miguel Messias

Sítio Bom Jardim

Muniz Freire

ES

8,49

Fonte: Tempo de Comunicação (Marília Moreira)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *