Melhores cafés da Região do Cerrado Mineiro são premiados pela Federação

Imprimir

Na última quinta-feira, 5, a Federação dos Cafeicultores do Cerrado revelou os produtores dos melhores cafés da Região do Cerrado Mineiro, uma cerimônia que celebra a Colheita e o trabalho dos cafeicultores em produzir o Café de Atitude: ético, rastreável e de alta qualidade.
A cerimônia reuniu centenas de produtores, torrefadores, cafeterias, exportadores e autoridades, elos que compõe a cadeia cafeeira, em Uberlândia em uma cerimônia que vem se consolidando no calendário do mundo do café e que foi marcada por muita emoção e comemorações.

Noite de homenagens
Além de premiar os melhores cafés da Denominação de Origem, Região do Cerrado Mineiro, o evento também é um momento de homenagens e reconhecimento do trabalho feito na Região. Três lideranças foram homenageadas, elas representam trabalho de homens e mulheres, que são a base da força que tem feito o Cerrado Mineiro crescer; este ano os homenageados pela Federação foram: Jerry Magno Resende, José de Alencar Branco Urtado e Ricardo dos Santos Bartholo, todos produtores, nomes que fazem a história da Região. O projeto Educampo também tem um momento de homenagens e premia os técnicos que mais se destacaram em 2015. Este ano foram: Adriano Ferreira Caetano (CARPEC), Max Afonso Alves da Silva (ASSOCAFÉ), Júlio Cesar Ribeiro (COOPA) e Vicente Nunes Júnior (COOPA).

Os campeões da noite
O grande momento da noite foi a revelação dos produtores dos melhores cafés da Região do Cerrado Mineiro. Foram 10 amostras finalistas de cada categoria, café Natural e Cereja Descascado. Os cafés foram avaliados sob dois critérios: a Alta Qualidade que teve peso 2, esse critério baseou-se na metodologia da Associação Americana de Cafés Especiais – SCAA (sigla em inglês) e o segundo critério foi o Ético e Rastreável que teve peso 1, para avaliação desses critérios foram aplicados questionários nas propriedades dos finalistas.

Na categoria Cereja Descascado o campeão da noite foi Adauto Guimarães, da Fazenda Lavrinha em Serra do Salitre, com uma pontuação de 88,5 pontos em qualidade e 84 pontos no critério ético e rastreável. Completaram os premiados Dimap S/A em segundo lugar e Grupo Ferrero com o terceiro lugar.

Rogério Guimarães, filho do campeão Adauto Guimarães, se disse surpreso com a colocação. “Este é o nosso terceiro ano na cafeicultura e a grande primeira safra. Foi a primeira amostra que mandamos para concurso e vencer na estreia nos trás muita alegria e uma grande responsabilidade, principalmente diante de tantos nomes consagrados. Investimos nos processos e na qualidade do pós-colheita, mas ser campeão foi uma surpresa. Agora é buscar manter a qualidade e vencer novamente” – afirmou confiante.

Na categoria Natural o campeão com 88,13 pontos em qualidade e 84 pontos no critério ético e rastreável foi o produtor Edison Minohara, da Fazenda Nova Casa Branca em de Ibiá. Completaram os premiados da categoria, o Grupo Andrade Bros, como segundo colocado e Afonso Maria Vinhal na terceira posição.

O Campeão Edison Minohara explicou a emoção do 1º lugar. “Vencer o Prêmio Região do Cerrado Mineiro é para nós produtores o mesmo que receber uma medalha olímpica para um atleta e o Oscar para um ator. É um estímulo para todos os cafeicultores trabalharem em busca de um café de qualidade” – afirmou Minohara.

Cada produtor premiado receberá um valor diferenciado pelo lote. O primeiro colocado de cada categoria receberá R$1.500,00 por saca, no total de R$30.000,00. O segundo colocado receberá R$1.200,00 por saca, no total de R$24.000,00 e o terceiro colocado receberá R$1.00,00 por saca, total de R$20.000,00. Lembrando que o lote é composto por 20 sacas.

O Presidente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, Francisco Sérgio de Assis parabenizou os campeões e enalteceu o trabalho dos produtores. “O Prêmio Região do Cerrado Mineiro tem o grande objetivo valorizar e reconhecer o trabalho dos produtores é a verdadeira celebração da safra e a exaltação da dedicação de todo um ano. Parabenizo os campões, principais atores que embelezam a vitrine da nossa Região, o trabalho de vocês é fundamental para o desenvolvimento de nossa Denominação de Origem” – afirmou o Presidente.

Varejo e mercado interno como focos
Todos os lotes premiados foram comercializados antes mesmo dos compradores conhecerem os finalistas, confiança depositada no trabalho da Federação dos Cafeicultores do Cerrado. O grande foco comercial do Prêmio é o mercado interno, com cafeterias e torrefadores nacionais adquirindo a maior parte dos cafés premiados. Este ano o varejo também apostou no evento e a rede Verdemar de Belo Horizonte arrematou parte dos lotes premiados.

“Nosso posicionamento de Mercado dentro do projeto Prêmio Região do Cerrado Mineiro visa à construção de Parcerias Sustentáveis que possam levar a Origem Cerrado Mineiro aos consumidores. Temos boa parte das principais cafeterias do Brasil fazendo parte, além de Torrefadores brasileiros com um foco muito grande de fazer com que estes lotes fiquem no Brasil e ajude a qualificar nosso mercado. Neste sentido destacamos a participação da Rede de Supermercados Verdemar, que esta conosco este ano e disponibilizará aos seus consumidores os cafés premiados. Além do mercado interno, temos importantes parceiros exportadores que participam visando atender a crescente demanda internacional por cafés de origem controlada” – explicou o Superintendente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, Juliano Tarabal.

Os compradores são: Ateliê do Grão, Café 3 Corações, Cafebrás, Café Ísole, Café Nuance, Dulcerrado, Eisa Interagricola, Lucca Cafés Especiais, Moka Club, Mundo Café, Suplicy Cafés Especiais, Verdemar e William and Sons.

O Prêmio Região do Cerrado Mineiro é uma iniciativa da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, com grande apoio do Sebrae. Este ano o III Prêmio Região do Cerrado Mineiro teve como patrocinador máster a Syngenta; e os patrocínios de 3 Corações, Crediminas, e Banco Indusval, a quem a Federação agradece a parceria e por acreditarem em nosso evento.

Ranqueamento Final

Categoria Cereja Descascado:
1º lugar: Adauto Guimaraes – Serra do Salitre
2º lugar: Dimap S.A. – Pratinha
3º lugar: Grupo Famiglia Ferrero – Patos de Minas
4º lugar: Grupo Famiglia Ferrero – Patos de Minas
5ª lugar: Grupo Naimeg – Coromandel
6º lugar: Lucio Gondim Velloso – Carmo do Paranaíba
7º lugar: Eduardo Pinheiro Campos – Presidente Olegário
8º lugar: Grupo Naimeg – Coromandel
9º lugar: Maria Betânia de Almeida – Campos Altos
10º lugar: Haroldo Barcelos Veloso – Carmo do Paranaíba

Categoria Natural:
1º lugar: Edison Minohara – Ibiá
2º lugar: Grupo Andrade Bros – Serra do Salitre
3º lugar: Afonso Maria Vinhal – Serra do Salitre
4º lugar: Grupo Naimeg – Coromandel
5ª lugar: Antônio de Azevedo e Silva Junior – Campos Altos
6º lugar: Lucio Gondim Velloso – Carmo do Paranaíba
7º lugar: Marcos Cezar Miaki – Patrocínio
8º lugar: Múcio Cardoso Monteiro – Romaria
9º lugar: Grupo Andrade Bros – Serra do Salitre
10º lugar: Grupo Andrade Bros – Carmo do Paranaíba

Fonte: Assessoria de Comunicação da Federação dos Cafeicultores do Cerrado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *