Matas de Minas poderá ter vaga no Conselho Nacional de Café

Imprimir

Luiz Américo, Antônio, Admar, Marcelo e Flávio Bahia com os deputados Odair Cunha e Silas Brasileiro

Representantes da cafeicultura das Matas de Minas receberam convite para integrarem o Conselho Nacional do Café (CNC). A iniciativa foi do deputado federal Silas Brasileiro, presidente executivo do CNC. Ele conversou com o presidente da Câmara do Café das Matas de Minas (CCMM) Admar Soares e o vice-presidente Flávio César Bahia.

A comitivida da região esteve em Brasília (DF) na segunda-feira para acompanhar o anúncio de ações de apoio para a cafeicultura e reclamou a falta de representatividade, apesar da região produzir 25% do café de todo o estado de Minas Gerais.

Além dos dois líderes, a comitiva foi integrada pelos diretores Hélio Emerick, Marcelo Pereira Amorim e Antônio José Seniqueli. O grupo foi ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para acompanhar o anúncio do pacote para amenizar a grave crise vivenciada pela cafeicultura.

Eles saíram frustrados com a decisão do Governo Federal de adiar para quarta-feira a divulgação. “Nós realmente lamentamos bastante. Saímos da nossa região, fomos até Brasília e, no final, informaram que não iriam divulgar mais as medidas. As Matas de Minas produzem muito café e têm direito de participar das decisões que envolvem o setor”, pontuou Flávio Bahia.

Apesar de ser uma entidade recém-formada e com a sua primeira diretoria definida de forma provisória, a CCMM quer participar ativamente das definições da política cafeeira nacional, como já fazem outras regiões produtores. A entidade foi criada durante as duas manifestações que os cafeicultores realizaram, no distrito de Realeza, em julho.

“A grande notícia é que, a partir do momento que a Câmara do Café das Matas de Minas vem oficializar para o CNC o seu interesse em participar das reuniões, nós vamos coloca-los como membro honorário para defender efetivamente uma região que é tão importante”, informou Silas Brasileiro, deputado federal.

O Conselho Nacional do Café (CNC) é uma entidade privada que congrega produtores, cooperativas, associações de cafeicultores e federações de agricultura de estados produtores. Com essa abrangência, a entidade representa um universo de aproximadamente 270 mil produtores, em sua maioria de pequeno porte. Fundado em 1981, por iniciativa de vários líderes da cafeicultura nacional, o CNC tem o intuito de defender e promover os direitos e interesses dos produtores de café do Brasil. Sua atuação está sempre ligada aos princípios do desenvolvimento sustentável, em suas dimensões econômica, social e ambiental.

DIRETORIA

Além dessa definição, a CCMM também elegeu sua primeira diretoria.

Presidente: Admar Rodrigues Soares. Vice Presidente: Flávio Cesar Bahia. Tesoureiro: Geraldo Terra. Vice Tesoureiro: Milton Rodrigues Bento. Secretário: Hélio Emerick. Vice Secretário: Luiz Américo Telles

Comitês: Agricultura Familiar: Marcelo Pereira Amorim e Launir Rodrigues Soares. Gestão de Projetos Sociais: Lilian Maria e Onéia Severino de Souza. Ciência e Tecnologia: Flávio Cesar Bahia. Comunicação e Marketing: Valtair da Silva Sousa (Valdir Vieira) e Marcelo Rezende. Juventude e Mulheres: Marco Antônio Domingos e Onéia Severino de Souza. Comercialização Importação e Exportação: Antônio José Seniqueli.

Conselho: Lino da Costa e Silva, Adão Saturnino e João Batista Silva Pereira

Fonte: Portal Caparaó

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *