Máquinas nacionais de café expresso são novidades

Imprimir

Pequenos empresários agora fabricam no Brasil as máquinas de fazer aquele saboroso café expresso. E em um mercado repleto de equipamentos importados, quem está abrindo uma nova cafeteria pode agora investir em um cafezinho feito com máquina nacional.

Uma máquina brasileira de café expresso é uma novidade no mercado. O equipamento tem capacidade para preparar até quatro expressos de uma só vez. Em uma loja são servidos 120 cafés por dia.

Há seis anos o empresário José Palácio é o dono da cafeteria. O investimento para montar o negócio foi de cerca de R$ 70 mil. Ele comprou equipamentos e contratou uma empresa para fazer a montagem do estabelecimento. Depois de pesquisar o mercado, José Palácio comprou uma máquina nacional de fazer café por R$ 13 mil.

Em quatro meses de trabalho com a nova máquina, o empresário recuperou o investimento e passou a ter lucro de 30%.

A máquina de café é produzida na fábrica do empresário Fernando Tortorella. Há 23 anos ele está à frente do negócio, tanto para venda quanto para locação. Nos últimos anos a produção da máquina nacional cresceu, apesar de o mercado estar repleto de equipamentos importados.

O investimento inicial foi de pouco mais de R$ 100 mil, e trabalhavam apenas quatro funcionários. Hoje, o número triplicou. Por mês, são produzidas 15 máquinas. Os preços variam entre R$ 9 mil e R$ 16 mil.

"Esse setor tem vários segmentos: residencial, café fora de casa e machine, que é o segmento de pessoas que vão tomar café no escritório. Além de outras bebidas quentes. Mas basicamente os três setores estão em crescimento", diz Fernando Tortorella. O empresário fatura cerca de R$ 210 mil por mês. A margem de lucro é de 12%.

Além das máquinas novas que saem da linha de produção, o empresário reforma equipamentos mais antigos já em circulação no mercado. São diversos modelos fabricados antes pela empresa e colocados para locação.

A primeira vantagem de quem opta por uma máquina produzida no Brasil é o preço. Uma máquina italiana, que faz quatro cafés de uma só vez, custa na faixa de R$ 18 mil. No mesmo modelo nacional, o preço cai em R$ 5 mil. A outra vantagem é a entrega.

"Nós temos um produto acabado em cerca de uma semana, pronto para entregar no cliente, seja para aluguel ou para venda. Isso permite uma logística diferenciada dos nossos concorrentes, que são importadores e requerem um prazo muito maior para ter o produto em casa", diz Fernando Tortorella.

As informações são do Pequenas Empresas & Grandes Negócios, resumidas e adaptadas pela Equipe CaféPoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *