Lideranças sugerem preço mínimo para financiamento de 20 milhões de sacas

Imprimir

 

A Cooxupé foi o local escolhido para reunir, na tarde de ontem (17), líderes sindicais de Minas Gerais, com a finalidade de definir uma política de preços para o café. A proposta, já aprovada pela CNA (Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil) em 31 de março, foi encaminhada ao Ministério da Agricultura e engloba a criação de um novo modelo de programa de opções para 5 milhões de sacas. ”Esses parâmetros estão à espera do encaminhamento do voto do Ministério da Agricultura ao Ministério da Fazenda para as devidas providências”, destacou o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Guaxupé, Mário Guilherme Perocco Ribeiro do Valle (Maé).

Na manhã de ontem, o presidente da Cooxupé, Carlos Paulino e Maé, estiveram no gabinete do governador de Minas Gerais, Antonio Augusto Junho Anastasia, para pedir empenho nas reivindicações. “O governador se comprometeu a pedir a máxima urgência ao Ministério da Agricultura. Somos o maior estado produtor do Brasil e os produtores, em especial nossos cooperados, precisam de medidas imediatas para a safra 2010”, frisou Carlos Paulino.

Como o setor tem pressa, é fundamental que as lideranças reforcem a importância do financiamento de 20 milhões de sacas pelo preço mínimo de R$ 261,69. Para Maé, se não forem criados mecanismos de política cafeeira para essa safra, poucos produtores terão condições de fazer frente às despesas e andamento da safra.

Participaram do encontro hoje, na Cooxupé, no sul de Minas: João Roberto Puliti, diretor tesoureiro da FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) e Breno Mesquita, presidente da Comissão Nacional do Café da CNA.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Cooxupé

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *