Levantamento de Safras mostra altas no Brasil em reais em Setembro

Imprimir

Os preços do café subiram em reais no Brasil no mês de setembro no comparativo com agosto, enquanto em dólares o comportamento foi misto. Levantamento de SAFRAS & Mercado aponta que as cotações em média subiram em reais entre 5,36% e 11,92% contra agosto. Em dólares, os preços ficaram de alta de 2,03% a baixa de 3,95% em média.

O arábica de bebida dura tipo 6 do Sul de Minas Gerais terminou setembro cotado em média a R$ 522,29 a saca de 60 quilos. Recuperou a linha de R$ 500,00 a saca e teve pico acima de R$ 530,00, acumulando alta de 10,9% em relação a agosto, quando trocava de mãos a R$ 470,96 a saca. Em divisa norte-americana esse mesmo café sofreu valorização bem menos expressiva, de 1,09%, com a saca da bebida negociada a US$ 297,57. A diferença entre a oscilação em moeda local e em dólar é atribuída ao câmbio, com o real fortemente desvalorizado em relação à divisa estrangeira, o que favoreceu o preço em moeda local,  comenta o analista de SAFRAS & Mercado, Gil Barabach. Ele observa ainda que a valorização do café sul-mineiro além do referencial externo mostra um descolamento positivo do mercado interno, que se justifica pela condução compassada dos negócios por parte do vendedor.

A bebida mais fina do Cerrado mineiro foi a que teve melhor desempenho, alcançando preço médio de R$ 533,62 a saca de 60 quilos em setembro, acumulando valorização de 11,92% em relação a agosto, quando foi negociada a R$ 476,78 a saca. Em divisa estrangeira, a valorização foi de apenas 2,03%, com fino do Cerrado em torno de US$ 304,02 a saca.

Já o café Rio tipo 7 da Zona da Mata de Minas Gerais subiu apenas 5,36% em , cotado a R$ 317,24 a saca em setembro. O aumento da oferta interna abortou o processo de valorização em relação a outras bebidas iniciado nos últimos meses. Em dólar, o Rio trocou de mãos a US$ 180,74 a saca, caindo 3,95% em comparação a US$ 188,18 a saca do mês anterior.

O arábica duro com 600 defeitos voltado ao consumo interno seguiu os cafés melhores destinados à exportação. Em setembro obteve média de R$ 343,10 a saca, alta de 9,45%. A demanda interna aquecida, por causa do inverno,  e oferta tímidas de exportadores explicam a valorização, diz Barabach

E, por fim, o conillon tipo 7 capixaba subiu 5,86%, encontrando suporte no dólar. A trajetória negativa do robusta em Londres limitou o avanço. O conillon tipo 7 fechou setembro a R$ 226,95 a saca. Em divisa estrangeira, foi vendido a US$ 129,30 a saca, baixa de 3,50%.

Fonte: Safras & Mercado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *