Levantamento aponta 4,4 milhões de sacas de conilon em estoque, afirma Deputado Evair

Imprimir
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) já está de posse do relatório que comprova a quantidade de café Conilon existente nos estoques privados no Espírito Santo, no Sul da Bahia e em Rondônia.

Como encaminhamento da reunião realizada na última terça-feira, na sede do MAPA, entre o ministro Blairo Maggi, parlamentares capixabas e representantes do setor produtivo da cafeicultura, o deputado Evair de Melo (PV/ES) confirmou nesta sexta-feira (10), a entrega ao MAPA do relatório elaborado dentro de um esforço conjunto, que comprova a existência de mais de 4,4 milhões de sacas de café armazenadas (apurado em 04/01/2017). Ao todo 61 municípios capixabas possuem estoques de café, com aproximadamente 3,77 milhões de sacas. Já nos municípios do Sul da Bahia e em Rondônia, os estoques são de quase 685 mil sacas.

“Fizemos a nossa parte, o que foi combinado na reunião, com uma contribuição significativa de muitos técnicos e instituições. Importar café é um crime contra a cafeicultura e contra as famílias dos cafeicultores. Há café em quantidade e em qualidade estocados e à disposição da indústria. Temos que valorizar o nosso produto e o trabalho de quem mora no interior e vive da cafeicultura”, destaca o deputado Evair de Melo.

Agora, de posse do relatório, o MAPA, por intermédio da Companhia Nacional de Abastecimento – Conab, vai aferir os números dos estoques privados existentes em cada município, para posteriormente definir sobre a liberação ou não da importação de café verde.

Sem compradores, café Conilon fica estocado

Cafeicultores do Espírito Santo e do Sul da Bahia não encontram compradores para os estoques de café Conilon. Um comerciante/corretor que atua na região Norte capixaba revela que em janeiro adquiriu 204 mil sacas dos produtores rurais, mas a indústria confirmou apenas a compra de 160 mil sacas.
“Tenho 44 mil sacas estocadas, esperando a indústria fazer uma nova aquisição. Fora esse volume, estou com outras 80 mil sacas nas mãos dos cafeicultores, aguardando para compra imediata. Só que não posso comprar do produtor sem ter o sinal da indústria para receber essa matéria-prima. Café tem, o que falta é absorção do mercado”, destaca o comerciante/corretor, que devido ao grande volume de café armazenado, por motivos de segurança, não terá o nome revelado.

Para os meses de março, abril e maio, o comerciante revela ainda que possui pré-contrato para a compra de mais 150 mil sacas junto aos cafeicultores e caso o mercado ‘aqueça’, há disponibilidade é de 500 mil sacas.

“Esse montante é apenas dos cafeicultores da minha relação de compra. Três deles possuem cerca de 85 mil sacas acumuladas de até quatro safras. E isso apenas no Espírito Santo. No Sul da Bahia, estamos com 80 mil sacas aguardando para serem comercializadas”, finaliza o comerciante/corretor.

O gerente de outra empresa que opera no mercado de compra e venda de café, localizada no município de Viana, no Espírito Santo, também destaca que os cafeicultores que fornecem Conilon à empresa estão com capacidade para atender a demanda do mercado.

“Compramos 15 mil sacas nessa semana. Outras 30 mil recentemente e sempre que a indústria solicita matéria-prima, vamos ao produtor e temos oferta imediata. Há muito café estocado. O que falta é a indústria restabelecer os volumes de compras de outros anos”, ressalta o gerente.

Nos últimos dias, foram registradas chuvas com volume de 100 milímetros nos municípios que tradicionalmente concentram grande parte da produção de Conilon no Espírito Santo. Com isso, melhoram as previsões para a safra que está por vir. A produção nova e as cerca de 4,4 milhões de sacas estocadas e ‘amoitadas’ dos cafeicultores do Espírito Santo, Sul da Bahia e Rondônia têm condições suficientes de atender a demanda de mercado.

Fonte: Ascom Deputado Evair Mello via Revista Cafeicultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *