Leste de Minas apresenta potencial para produção sustentável de café Conilon, dizem professores da UFLA e da UFV

Imprimir

Visita técnica realizada em uma lavoura de Pocrane, no Leste de Minas 

Com o objetivo de realizar um levantamento do potencial que o Leste de Minas possui para a produção sustentável do café Conilon, o coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Café (INCT Café) e professor da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Mário Lúcio Vilela de Resende, e o vice-coordenador do Instituto e professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Laércio Zambolim, realizaram visitas técnicas na última semana em diversas lavouras nos municípios de Ipanema e Pocrane, leste do estado.

De acordo com os professores, diversos pequenos produtores da região foram consultados. O contato revelou que a área possui grande potencial para a produção do café Conilon e que os cafeicultores estão satisfeitos com o retorno econômico, embora a produtividade não tenha atingido ainda o seu potencial máximo.

“Há ainda carências de pesquisa em diversas áreas como variedades adaptadas à região, fertilização adequada, uso racional da água e irrigação, além do manejo de doenças, pragas e plantas daninhas. Além disso, torna-se necessário o investimento nas áreas de manejo da cultura, colheita e processamento do café”, afirmou Laércio Zambolim.

O coordenador do INCT Café, Mário Lúcio Vilela de Resende informou que aproximadamente 1.500 hectares de Conilon já estão plantados ou em fase de implantação na região, com predominância da cultivar Vitória, que é uma mistura de clones desenvolvida pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper). Entretanto, para Mário Lúcio, apesar da temperatura e da altitude serem favoráveis na região, o plantio nesses locais ainda carece de informação tecnológica, a qual deverá vir da interação entre os orgãos de pesquisa e a Emater-MG (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais), a nível regional.

Um exemplo de pequeno produtor assistido pela Emater-MG é Sebastião Lourenço da Silva, de 43 anos, que produz café Conilon desde 1999 em Pocrane. O cafeicultor, que possui cerca de 20 mil pés de café distribuídos em seis hectares ressaltou a importância dessa interação com Universidades, Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais) e Emater-MG, já que muitas vezes falta informação ao produtor.

“Eu estou tentando corrigir o solo com adubo e produtos para evitar pragas e doenças. Mas eu vejo que nessa tentativa, acabo errando. Não tenho informação correta, os produtores caem no erro de copiar uns aos outros e isso pode não ser bom pra mim. E esse contato com a Universidade é muito bom. É preciso continuar, formar um laço de companheirismo com o produtor”, explicou o cafeicultor.

O extensionista da Emater-MG na região, Helder Paes, acompanhou a visita. Ele concordou com o produtor e também destacou a importância do Conilon na área e a necessidade de se desenvolver um trabalho junto aos agricultores familiares da região para recuperar as lavouras existentes e auxiliar na implantação de novas. “Nossa preocupação é agir para que os erros não sejam cometidos. A Emater-MG é o elo entre a pesquisa e o produtor. Precisamos passar tecnologia para o cafeicultor colher bons frutos e ter seu negócio sustentável”, finalizou.

Fonte: Polo de Excelência do Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *