Lançamento oficial da Expocafé 2010 destaca conhecimento científico

Imprimir

Na tarde da última quinta-feira, 27, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) fez o lançamento oficial da 13ª edição da Expocafé. A solenidade foi realizada no auditório do prédio do antigo Instituto Brasileiro do Café (IBC) e contou a participação de representantes de vários segmentos do setor como parceiros, pesquisadores e imprensa. Entre as novidades, o simpósio com o tema “A mecanização e as mudanças no processo produtivo” foi o destaque. Realizado pela primeira vez, ele acontece de 8h às 15h no primeiro dia e promete ser grande oportunidade para transferência de conhecimento científico do setor. A Expocafé acontece entre os dias 15 e 18 de junho na Fazenda Experimental da EPAMIG de Três Pontas.

Para composição da mesa na solenidade foram convocados o presidente da EPAMIG e do Conselho Deliberativo da feira, Baldonedo Arthur Napoleão, o vice-reitor da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Elias Fialho, a prefeita, Luciana Mendonça, o presidente da Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Três Pontas (COCATREL), Francisco Miranda de Figueiredo Filho, o coordenador da região Macro Sul de Minas do SEBRAE, Juliano Cornélio, o presidente da Associação Comercial e Agroindustrial de Três Pontas (ACAI), Ralf Duarte Funchal e o vereador, Antonio Carlos de Lima.

Nos discursos das autoridades o tema principal foi união. Ressaltou-se muito a importância de se manter parcerias entre todos que estão envolvidos com a organização da Expocafé. Para Fialho, que veio representar o reitor da UFLA, professor Antonio Nazareno, grande incentivador da feira, o momento realmente é de unir forças. “Gostaríamos nessa oportunidade de desejar a EPAMIG todo sucesso que ela merece diante do esforço que tem feito para dar continuidade à Expocafé. Infelizmente a UFLA por aspectos logísticos e financeiros não conseguiu continuar a frente da feira. Mas ainda é parceira do evento e tem plena confiança no trabalho que será iniciado pela EPAMIG este ano”.

Baldonedo começou seu discurso dizendo que a EPAMIG recebe com muito orgulho a atribuição de dar seqüência à Expocafé. “Sabemos que não se trata de uma coisa pequena. Estamos tratando do café do Brasil, do café do Sul de Minas, que tem grande peso na economia nacional. E por isso faremos de tudo para que o evento continue com sua grandeza”.

Ele falou ainda sobre a temática abordada na feira este ano. “Eu pedi aos pesquisadores da EPAMIG e da UFLA que aproveitassem a presença dos produtores não apenas para conhecerem os equipamentos e máquinas, mas também para terem acesso as tecnologias ligadas à cafeicultura. A mecanização é o grande desafio de hoje. Existe no meio uma constatação de que os cafezais vão descer o morro, ou seja, serão adequados a áreas mais planas para que a mecanização possa ser praticada. Vamos manter essa discussão que é de grande interesse”.

O presidente disse também que com base na visão estratégica da EPAMIG, a Expocafé tende a se consolidar ainda mais. “A transferência da coordenação da Expocafé para nós fez com já tomássemos a decisão de implantar na fazenda uma infra-estrutura de alvenaria definitiva para abrigar a feira que será implantada logo”. A intenção é consolidar ainda mais a Expocafé no calendário nacional e internacional do agronegócio.

O chefe de pesquisa da EPAMIG no Sul de Minas e membro da comissão organizadora da feira, Gladyston Carvalho, disse que o objetivo principal este ano é potencializar a questão do conhecimento. “Como o negócio da EPAMIG não é a feira, mas sim ciência e tecnologia, estamos buscando áreas de transferência de novas tecnologias. Inovamos com a implantação do simpósio, vamos setorizar as dinâmicas, separando as de máquinas da de fertilizantes e procurar atrair cada vez mais empresas, principalmente aquelas que têm equipamentos para lançar”.

No ano passado o seminário foi realizado na UFLA. Mas como o objetivo da Expocafé este ano é multiplicar o conhecimento científico, ficou definido que o simpósio aconteceria pela primeira vez no evento. Para o professor da UFLA, Fábio Moreira da Silva, o simpósio vem para disseminar modelos e processos. “Há 13 anos a introdução da mecanização na cafeicultura promove o desenvolvimento tecnológico. Hoje já é possível fazer a colheita com máquinas a um custo competitivo. O Brasil tem a melhor tecnologia para o setor no mundo e todas desenvolvidas aqui”.

A prefeita Luciana Mendonça encerrou o evento com seu discurso e ratificou o apoio do município ao projeto. “Para mim o fundamental de tudo é que a Expocafé se firmou em Três Pontas. E tenho certeza que todos nós trespontanos estamos orgulhosos de ter a maior feira do agronegócio café dentro do município”. Ela aproveitou também para agradecer a todos que têm se desdobrado para que a feira aconteça como EPAMIG, UFLA, UNICOOP, COCATREL e ACAI-TP.

Ela ressaltou ainda a importância econômica da feira para Três Pontas e região. “A Expocafé movimenta financeiramente nossa rede hoteleira, os restaurantes e bares. A geração de empregos é grande. Todos os estabelecimentos contratam mais pessoas e a própria feira oferta inúmeras vagas. E a Expocafé não influencia apenas a economia trespontana, mas de toda região. Aqui os hotéis já estão lotados. Sei que tem pessoas se hospedando em Varginha, Boa Esperança e Três Corações. Outro fator importante é que o dinheiro gasto pelos visitantes, fica dentro de Três Pontas”.

Na edição deste ano haverá além de toda área voltada para cafeicultura, espaço para exibição de animais. Destaque para a exposição de cavalos Mangalarga Marchador que acontece pela primeira vez. Outra novidade é a volta da coordenação do estacionamento para Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Três Pontas. A prefeita agradeceu o aceite de seu pedido por parte da coordenação do evento, para que o estacionamento fosse repassado, como em anos passados, para a instituição. 

* André Silva Rosa

Fonte: Jornal Correio Trespontano

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *