Insumos em alta preocupam cafeicultores de Minas Gerais

Imprimir

Com o final da colheita é hora de preparar a lavoura para a próxima safra. Mas o adubo está quase 40% mais caro que no ano passado. Entre os motivos está a alta do dólar já que a matéria prima é importada.

Insumos em alta preocupam cafeicultores de Minas Gerais

Insumos em alta preocupam cafeicultores de Minas Gerais

No sul de Minas Gerais, enquanto alguns produtores ainda terminam a colheita, já tem cafezal florido. A chuva acima da média no início de agosto antecipou a florada e é justamente nessa fase que o cafeicultor prepara o solo para a próxima safra.

Em Varginha, o produtor Leandro Reguim se preveniu e comprou 25 toneladas de adubo quatro meses antes do previsto. Ele diz que se antecipou já sabendo que os preços estavam subindo para não ser pego de surpresa.

Desde fevereiro, o preço do adubo vem aumentando. Quem ainda vai comprar deve pagar até 40% a mais do que o ano passado – uma condição de mercado que vai refletir no lucro de produção.

Como a matéria prima é importada, a alta do dólar e a baixa nos estoques europeus colaboraram para o aumento dos preços. O diretor comercial de uma indústria de fertilizantes indica ainda um outro fator: as mudanças no valor e nas regras do frete, ainda um reflexo da paralisação dos caminhoneiros.

“Hoje eu tenho que contratar a ida do caminhão vazio e a volta com o fertilizante e isso é repassado, com certeza, e vai atingir a lucratividade do produtor”, diz Nelson Chipichori, diretor comercial da Fertipar.

Em um cenário de alta nos custos de produção, o agrônomo Rodrigo Naves recomenda que o agricultor mantenha em dia as análises das folhas e do solo para não mais do que precisa. “Ele vai ter instrumento para poder verificar de cada talhão, qual a quantidade de nutriente que ele vai ter que repor a mais ou a menos. Ele pode às vezes economizar parte daquela adubação neste ano de preços mais altos dos insumos”.

Por Natália Jael, Varginha, MG

Veja Matéria completa no site do Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *