Instituto Federal realiza aula inaugural do Curso Técnico de Cafeicultura em Manhuaçu/MG

Imprimir

O Instituto Federal Sudeste de Minas Gerais – campus Manhuaçu realizou, na noite de sexta-feira, 19/02, a aula inaugural do curso Técnico em Cafeicultura. A cerimônia realizada em Realeza marcou o início da oferta do primeiro curso presencial na unidade.

Para o diretor geral do campus Manhuaçu, Aluísio de Oliveira, a sensação é de dever cumprido. "Estamos há um bom tempo nessa luta, buscando entender um pouco mais da região, preparando uma equipe de professores altamente qualificada, e contando sempre com um apoio muito grande do poder Executivo de Manhuaçu. E hoje estamos brindando o município com o nosso primeiro curso técnico presencial" – alegrou-se Oliveira, que traça um perfil da primeira leva de estudantes.

"Temos uma turma de 35 alunos muito heterogênea, tanto com produtores que já lidam com a cafeicultura, como também alunos que terminaram Ensino Médio agora, isso aumenta nossa responsabilidade, mas estamos animados e muito emocionados com essa turma" – externa o diretor.

O pró-reitor de Desenvolvimento Institucional do IF Sudeste, Etiene Beirão, ressalta as potencialidades do campus Manhuaçu e faz previsões para os próximos anos. "A comunidade já espera há mais de quatro anos por um curso técnico regular presencial. A ideia de formar um campus aqui é de cinco anos atrás. E durante todo esse tempo nós estivemos nos preparando para chegar a esse ponto, e é só o começo" – afirma. "Existe um potencial muito grande aqui para a cidade e região e estamos dispostos a atuar de uma forma mais significativa. É claro que as coisas não acontecem de um dia para o outro, mas já temos projetos para ampliar o campus e, a médio prazo, acreditamos que vamos ultrapassar a marca de 3 mil alunos" – vislumbra Beirão.

QUALIDADE DO CAFÉ
A aula inaugural teve palestra do Professor e Engenheiro Agrônomo Paulo César Corrêa, mestre em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa e doutor pela Universidade de Madri,com centenas de artigos e pesquisas na área de produção de alimentos, em especial o café. A apresentação foi justamente sobre a qualidade do café e a atuação dos técnicos em cafeicultura.

De acordo com a professora Ana Paula Lelis Rodrigues de Oliveira, coordenadora do Curso Técnico em Cafeicultura, a oferta deste curso pelo IF Sudeste MG – Campus Manhuaçu, visa suprir uma demanda por profissionais específicos do agronegócio cafeeiro, atendendo grandes e pequenos produtores, cooperativas e empresas relacionadas à cadeia produtiva do café, contribuindo para o desenvolvimento social, econômico e educativo de Manhuaçu e região. Além disso, é uma oportunidade de formação profissional relativamente rápida, gratuita e de qualidade.

"Montar um curso de Cafeicultura num local onde as pessoas já conhecem essa prática foi um desafio grande" – comenta a coordenadora do curso, Ana Paula Lelis. "Buscamos então trazer novidades tecnológicas, acreditamos que a grande importância da cafeicultura esteja nisso, em pensar na visão tecnológica do café. Nesse sentido, temos disciplinas que vão desde plantio de mudas, fertilização, poda, pós-colheita, qualidade e a comercialização, que também é um foco da cidade de Manhuaçu" – detalha a professora, que comenta sobre suas expectativas. "São as melhores, nós pensamos em tudo com cuidado e carinho. Tínhamos um anseio muito grande para que esses estudantes chegassem. Então hoje é uma felicidade muito grande" – conclui Lelis.

INVESTIMENTO EM EDUCAÇÃO
Segundo o deputado federal Subtenente Gonzaga, o curso aponta um melhor caminho para a produção do café. “É uma conquista para a nossa região e se deu ao trabalho do prefeito Nailton Heringer, que tem sua atuação com a agricultura familiar e, portanto, com a formação dessa mão de obra qualificada”, afirmou o deputado Subtenente Gonzaga.

De acordo com o deputado, a produção do café, em especial, a colheita do café, da manutenção à capina, está sempre associada ao subemprego e também à baixa escolaridade. "Precisa mudar essa referência e o curso técnico com certeza poderá apontar caminhos para uma maior valorização dos trabalhadores rurais, em especial, aqueles que trabalham na manutenção das lavouras, na colheita do café, considerando que é uma região que não comporta mecanização".

O prefeito Nailton Heringer comemorou a oportunidade de receber um campus IF. "Nós estamos extremamente felizes porque sabemos da luta que foi para conseguirmos essa conquista. (…) Queremos ver esse IF crescendo, se tornando uma mega escola, transformadora, geradora de oportunidades principalmente para os que não têm condições financeiras, e de altíssimo nível, tanto tecnológico como superior e de pós-graduação também" – diz o prefeito Nailton Heringer.

EXPECTATIVAS DO IF
As expectativas são grandes para a expansão do campus Manhuaçu, mesmo diante de um cenário político e econômico nacional complicado. Ainda em 2016, conforme revelou Aluísio de Oliveira, novos concursos para contratação de técnicos administrativos devem ocorrer. Além disso, dois novos cursos técnicos estão praticamente acertados para o princípio de 2017: o de informática e de administração.

Fonte: Portal Caparaó (Carlos Henrique Cruz) com informações da Secretaria de Comunicação Social

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *