Incerteza da produção de café brasileiro oscila bolsa de NY

Imprimir

Volatilidade registrada em Nova York se deve a insegurança dos operadores sobre a atual situação dos estoques brasileiros. Negócios vêm se deparando com muitas informações divergentes a respeito dos números da produção do Brasil. No primeiro semestre houve um grande número de embarques e possivelmente não haverá no segundo semestre pela falta de estoque.

Em entrevista ao apresentador do Mercado & Cia, João Batista Olivi, o analista do Escritório Carvalhaes, Eduardo Carvalhaes, falou sobre a oscilação do mercado de café nos últimos dias influenciado pela incerteza da produção brasileira e confirmou a situação do estoque de passagem apertado brasileiro.

“O mercado é bombardeado todos os dias sobre o tamanho da safra brasileira de Arábica e Conilon, tem números de 40 milhões até 50 milhões de sacas”, afirmou o analista.

Segundo Carvalhaes, a safra atual pode ficar em torno de 42 a 43 milhões de sacas – o que é pouco para o Brasil. No ano passado, o consumo interno foi de cerca de 20 milhões de sacas e a exportação cerca de 34 milhões – o segundo maior volume da história em 250 anos.

O crescimento da exportação no primeiro semestre deste ano foi estimulado pela seca. “Os importadores de café brasileiro que estavam com estoque de café muito baixo e contavam com uma super safra em 2014 correram para comprar café para embarque imediato”, fazendo a exportação atingir o recorde de 34 milhões.

No entanto, nesse ano a realidade do mercado será diferente. “Com a safra brasileira atual e o estoque de passagem que devemos ter, não vamos conseguir embarcar 34 milhões e mais 20 milhões para consumo interno, como no ano passado”, pondera.

Informações do Centro do Comércio do Café do Estado de Minas Gerais, também dão conta que os estoques de passagem de café no Brasil estão se esgotando e que o País pode ter dificuldades para acumular excedentes nos próximos anos.

Durante a entrevista, Carvalhaes também falou sobre a safra 2014/2015, que pode cair influenciada pela umidade insuficiente para a florada. “O sobe-desce da bolsa mostra tudo isso, a falta de umidade pode abortar grande parte dessas flores e significar uma quebra ainda maior para safra do ano que vem e mesmo se uma parte da produção tiver florada, esse café vai ficar maduro na árvore muito antes dos outros”.

Fonte: Notícias Agrícolas // João Batista Olivi // Jhonatas Simião

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *