Importação do Conilon do Vietnã pode gerar prejuízo de R$ 1,5 bilhão ao ES

Imprimir
Em reunião com o Ministério da Agricultura, na tarde desta terça-feira (17) em Brasília, o governo do Espírito Santo defendeu que não seja autorizada a importação do café Conilon do Vietnã.

Além de considerar que há estoque suficiente para abastecer a indústria, o diretor-presidente do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Marcelo Suzart, apontou possíveis riscos sanitários em caso de importação.

Suzart destacou que o levantamento feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que apontou que o estoque do robusta no Espírito Santo, Sul da Bahia e Rondônia é de 2,2 milhões de sacas, não condiz com a realidade e que o grão armazenado deve chegar a 4,3 milhões de sacas.

“Apesar de todo o esforço da Conab em fazer o levantamento, ele está aquém do estoque existente. Além disso, destaquei a preocupação com o risco sanitário de contaminação com fungos e bactérias em caso de importação, o que coloca em risco a segurança alimentar. Se autorizada a importação, o prejuízo aos nossos produtores pode chegar a R$ 1,5 bilhão”, destacou Marcelo Suzart.

abana-cafe-foto-agencia-brasil

Além do diretor-presidente do Incaper, participaram da reunião representantes da OCB-ES, do Centro do Comércio do Café de Vitória (CCCV), da Federação da Agricultura do Espírito santo (Faes), da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Espírito Santo (Fetaes), do Centro de Desenvolvimento Tecnológico do Café (Cetcaf) e o deputado federal Evair de Melo.

A autorização para a importação do Conilon foi admitida pelo Ministério da Agricultura no final do ano passado com o argumento da falta do grão para a indústria, mas foi suspensa até o levantamento final do estoque existente no País. Para que seja liberado, o caso precisa de autorização da Câmara do Comércio Exterior (Camex), órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento.

Produção capixaba

O Espírito Santo é responsável por 78% da produção nacional do café Conilon, principal atividade de renda de 80% das propriedades rurais capixabas localizadas em terras quentes. Além disso, representa 35% do Produto Interno Bruto (PIB) Agrícola do Estado e gera em torno 400 mil empregos direitos e indiretos.

Fonte: Folha Vitória

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *