IBGE reduz safra 2015 de café para 42,5 milhões de sacas

Imprimir

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta sexta-feira, 10 de abril, o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) referente a março de 2015. No estudo, a instituição apontou que, em 2015, a safra total brasileira de café será de 2.551.541 toneladas, ou 42.525.683 sacas de 60 kg, apresentando queda de 5,8% em relação à colheita de 2014, principalmente em função das adversidades climáticas ocorridas em Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo. Desse volume, 1.880.548 toneladas – 31.342.467 sacas – se referem à variedade arábica e 670.993 toneladas – 11.183.216 sacas – à conilon. Leia, abaixo, as considerações do IBGE a respeito da colheita das variedades arábica e robusta.

CAFÉ ARÁBICA (em grão) – No ano passado, o país amargou uma queda drástica na produção de café arábica em função do clima excessivamente quente e seco, notadamente no sul de Minas Gerais e São Paulo. Este ano, as chuvas retornaram em algumas regiões produtoras, apesar de ainda estarem abaixo das médias históricas e bem aquém das necessidades das lavouras, que também tiveram seu potencial produtivo comprometido em face da deficiência na floração e baixo crescimento no ano anterior. Muitas lavouras foram “esqueletadas” com intuito de serem preparadas para a produção em 2016, em função de não terem recuperado seu potencial produtivo para 2015.

CAFÉ CANEPHORA (em grão) – Quanto ao café canephora, a queda da produção em 2015 decorre do Espírito Santo, principal estado produtor desse tipo de café, com participação de 68,2% do total nacional. A estiagem afetou o desenvolvimento das lavouras em algumas áreas produtoras, culminando em menor carregamento de flores e formação dos chumbinhos. Esse estado aguarda uma produção de 457,4 mil toneladas, 23,3% menor que a obtida no ano anterior. Forte queda influenciada pelo comparativo com a safra anterior que foi recorde, quando registrou uma safra de 596,2 mil toneladas.

Fonte: P1 / Ascom CNC (Paulo A. C. Kawasaki)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *