Histórico

antiga-cccmg-01Na época da implantação do Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerias – CCCMG na cidade de Varginha, em 1980, se fazia urgente e necessária a discussão de problemas e a troca de informações entre vários segmentos da cadeia cafeeira.

Observava-se a necessidade de um maior entrosamento entre os agentes do setor. A região era dependente da praça de Santos onde estavam estabelecidas as grandes exportadoras de café. As formas de comunicação eram feitas através de telex ou mensageiros, um processo precário, lento e demorado, exigindo um esforço imensurável para a conclusão de negócios.

Em decorrência da geada que dizimou os cafezais no Estado do Paraná em 1975, muitos empresários e cafeicultores da região migraram e/ou retornaram para o Sul de Minas, atraídos pela boa qualidade do clima e do solo. Esse fato contribuiu para o aumento da comercialização do café, na região sul mineira. No final da década de 70 e início de 80, o Estado de Minas Gerais destacou-se na produção cafeeira, assumindo a liderança entre os Estados produtores, confirmando e consolidando sua grande vocação para a cafeicultura, já observada pelos Bandeirantes no início do Século XIX , como alternativa a exploração das Minas de Ouro.

 

Fundação

antiga-cccmg-02As primeiras reuniões do CCCMG aconteceram no próprio escritório de Adauto Marques de Paiva, primeiro presidente da entidade. Orostrato Olavo Silva Barbosa, Isaac Ribeiro Ferreira Leite e Carlos Fernandes Tristão, foram grandes incentivadores da criação do Centro. A primeira Diretoria provisória foi eleita na Assembléia de 2 de dezembro de 1980.

O primeiro Estatuto, protocolado e registrado no Cartório “Braga” do 1º Ofício, Varginha MG, em 21/11/1980, fora aprovado pela Assembléia Geral de Fundação do Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerais, realizada em 02/12/1980. Posteriormente registrado no Livro 01 de registro civil de Pessoas Jurídicas, fls. 133, sob o número 104., em 27/08/1981, no mesmo órgão público, onde constam o seguinte o teor (estava constituída oficialmente a entidade): “Denominação: Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerais.

Fins: para promover a união, solidariedade e o apoio aos associados, sem distinção, abrigando-se em seu quadro, cooperativas, cafeicultores, comerciantes, maquinistas, armazenadores, saqueiros, corretores, comissários, exportadores, empresas de transportes, bancos, casas bancarias e todos aqueles ligados a produção e comercio de café. Fundo e seu destino: nada consta.

Sede-Duração: Sede em Varginha-MG e duração por prazo indeterminado. Administração sob a responsabilidade de um conselho fiscal de sete membros e uma diretoria de dezoito membros eleitos pela assembléia geral, que é soberana, anualmente, compondo-se a Diretoria: Diretor Presidente, Diretor vice-presidente, Diretor 1º Secretário, Diretor 2º Secretário, Diretor 1º Tesoureiro, Diretor 2º Tesoureiro, Diretores de departamentos e Diretores de Apoio.Representante: A sociedade será representada pelo Diretor Presidente, sendo gratuito o mandato exercido pelos conselheiros, diretores, delegado, representantes ou membros da comissão.

Fundadores: A Diretoria provisória é composta dos seguintes membros: Adauto Marques de Paiva – Presidente, João Gomes Moreira – vice-presidente, Lourival Frances Perez – 1º Secretário, Carlos Fernandes Tristão – 2º Secretário, João Leite Alvarenga – 1º Tesoureiro, José de Rezende Pinto Filho – 2º Tesoureiro e Antônio José Ernesto Coelho – Diretor Departamental. Apresentantes: A Diretoria. Varginha, 27de agosto de 1981”.

Entre os presentes daquela Assembléia (40 assinaturas no livro de presença), além da diretoria eleita, participaram representantes das empresas: Café Solúvel Brasília, Del Rey S/A Imp. Exp. , Minas Armazéns Gerais, Fazenda Santa Maria (Guilherme Storino), Rodasol Trasnportes Rodoviário, Strata Transportes Rodoviário, Rio Doce Café S/A, Ermínio Bozzo S/A, Irmãos Ribeiro, Ulisses Café, Mário Cesar Simão, Cooperativa de Três Pontas, Procafé, Coop. Agropecuária de Boa Esperança, Coop. Reg. Agropec. de Santa Rita do Sapucaí, Coop. Reg. Dos Cafeicultores de Poços de Caldas, e outras .

A primeira Diretoria eleita por Assembléia Geral Ordinária, que fora realizada em 09/11/1981, era composta pelos membros:
Diretor Presidente – Adauto Marques de Paiva;
Dir. vice-presidente – Orostrato Olavo Silva Brabosa;
Dir. 1º Secretário – Lourival Frances Perez;
Dir. 2º Secretário – João Gomes Moreira;
Dir. 1º Tesoureiro – Gilson Procópio Ribeiro;
Dir. 2º Tesoureiro – Felisberto de Souza Pinto Jr. , entre outros .

Confira abaixo fotos antigas

Fotos antigas do CCCMG
Estatutos

O Capítulo II do 1º Estatuto interno da entidade, que tratavam dos objetivos tinha a seguinte redação:

Art. 5º – O Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerais é uma entidade civil, com personalidade jurídica distinta da de seus sócios, sem fins lucrativos e os seus sócios não respondem solidária ou subsidiariamente pelos atos da sociedade.

Art. 6º – São finalidades primordiais do Centro………. :

I – Promover a união solidariedade e o apoio a todos seus associados, sem distinção, abrigando em seu quadro social, cooperativas……..

II – Defender, ampara e cuidar dos interesses legítimos de todos os seus sócios, estudando, encaminhando e acompanhando reivindicações do setor.

III – Colaborar com os Poderes Públicos, como Órgão Técnico e Consultivo no estudo, reivindicação e solução dos problemas do setor.
IV – Promover congressos, Convenções, Exposições, Conferências, Cursos, objetivando apoio à cafeicultura, aperfeiçoamento técnico e formação de novos valores humanos.

V – Conscientizar seus associados sobre a importância e grandeza da economia cafeeira e seu sentido econômico-social .

VI – Fornecer dados necessários a seus associados, de estimativa de colheitas de café, estatísticas de importação e exportação de café, estoques, consumo, tanto no estado de Minas Gerais como em praças nacionais e estrangeiras.

VII – Proporcionar a seus sócios informações sobre vendas e cotações de café, tanto nesta praça como em outros do Estado, do país e do exterior.

VIII – Envidar esforços para a distribuição gratuita junto a seus associados, de boletim contendo informações de interesse para o setor.IX – Organizar para o uso de seus associados, biblioteca com publicações nacionais ou estrangeiras que se refiram a café. X – Organizar e manter departamentos específicos para orientação, estudo e reivindicações, dando assistência a seus associados.

No primeiro Estatuto estava estabelecido que a Assembléia Geral Ordinária se reuniria anualmente, até 15/02, para apreciar e deliberar o Relatório, Balanço Geral e Prestação de Contas. Ainda, sobre sua competência a responsabilidade de eleger o Conselho Fiscal, eleger a Diretoria, empossar os eleitos, entre outros assuntos.

A Primeira reforma estatutária, ocorreu em Assembléia Geral realizada em 27/01/1985, deliberando-se nas seguintes alterações: redação do Art.36 = “Compõe-se o Conselho Administrativo de Dez (10) membros e quatro (4) suplentes, eleitos pela assembléia Geral, dentre os sócios quites com a sociedade , pessoas física ou jurídica,com mandato de dois anos, permitida a reeleição, inclusive por mais de um período”; forma do Art.45 =”O Mandato dos Diretores é de dois (2) anos coincidente com o mandato do Conselho Administrativo, permitida a reeleição, inclusive por mais de um período. A redação dos parágrafos 1º , 2º , 3º e 4º , do referido Art. 45 são mantidas sem qualquer alteração”.

Ampla reforma dos estatutos interno fora aprovada em Assembléia Geral Extraordinária, realizada em 05 de dezembro de 1994, cujo registro se fez através de petição protocolada no Serviço Notorial Privativo “Braga” 1º Ofício – Varginha MG , em 06/01/1995, com publicação no Diário Oficial do Estado e no jornal diário Correio do Sul da integra do novo Estatuto da entidade. No entanto, as mudanças não alteraram a originalidade e princípios da entidade. O principal objetivo da alteração foi de criar um Estatuto simplificado, reduzindo seu tamanho, dos então 102 artigos para apenas 60, glosando disposições que eram repetitivas e que geravam dúvidas de interpretação. Aqueles trabalhos foram norteados a partir da realidade de funcionamento do Centro.

É importante ressaltar um artigo sempre presente no Estatuto da entidade, que diz: “Não é permitido ao Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerais o exercício de atividade político-partidária”.

 

Fatos marcantes e importantes realizações

• Inauguração da Sede (provisória) 1984
Em 26 de Outubro de 1984, com a presença do senador Murilo Badaró, Ministro da Indústria e do Comércio, e do Dr. Aloísio Teixeira Garcia , presidente do Instituto Brasileiro do Café – IBC .
Presidente= Adauto Marques de Paiva;
Vice-presidente= Orostrato Olavo Silva Barbosa;
Diretores: Marco A. Cervi Cavalcanti, Gerson Procópio Ribeiro, Carlos Fernandes Tristão, José de Rezende Pinto Filho, Jaime Braga, João Leite Alvarenga, Antonio J. Ernesto Coelho, Suelly Evandro Amarente, Arnaldo Manetti Dias, Artur Octávio Varella Caldeira, Fernando Aguiar Paiva, João Décio Pedroni, Otávio Marques Paiva Neto, José Maria Figueiredo.

• Porto Seco
Em 1986 foi criado o “Porto Seco” de Minas Gerais, na cidade de Varginha, com a finalidade de promover embarques para exportação de café direto do interior.

Isso só foi possível após ágil e persistente trabalho da Diretoria do CCCMG, tendo a frente o então presidente, Adauto Marques de Paiva, que não mediu esforços pelas intensas ações junto às autoridades em Brasília conseguindo sensibiliza-las, nas esferas governamental e parlamentar.

O processo viera a ser inteiramente viabilizado em maio de 1989, quando conseguiu-se de fato promover a integração de todos os órgãos envolvido no completo desembaraço aduaneiro. A partir de então, todas as fases da exportação de café poderiam serem feitas diretamente de Varginha, como por exemplo o registro prévio de venda nas exportações de café, via agência do Banco do Brasil e até mesmo a emissão de Certificados de Origem da Organização Internacional do Café – OIC, além dos tramites inerentes à Receita Federal.

Posteriormente, em 1992 foi regulamentado por Lei Federal, que regem as normas dos entrepostos aduaneiro do país, possibilitando a instalação da Estação Aduaneira do Interior – EADI, na cidade de Varginha, que opera com importações, além de exportações. Uma grande conquista para o interior do país!

• Propostas de Política Cafeeira
Diversas reuniões com associados e lideranças do setor foram promovidas pela entidade, discutindo-se os mais variados temas, com o objetivo de analisar e formular propostas de política cafeeira. Resultados desses encontros, em hora, certamente contribuíram para o ordenamento do mercado, refletindo em benefícios à empresas associadas.

• Criação do Comitê Brasileiro do Café – CBC
Em reunião de lideranças nacionais do setor, realizada em 13/06/1991, representado as mais importantes entidades, como, CNC, ABICS, ABIC, FEBEC, FAEMG e a anfitriã CCCMG, através de mobilização da Diretoria da entidade, afim de buscar soluções aos problemas enfrentados pelo mercado com a extinção do Instituto Brasileiro do Café – IBC e promover a união e o fortalecimento do setor a nível nacional, buscando o estreitamento entre os segmentos da produção e comercialização, foi criado o Comitê Brasileiro do Café – CBC.

• Negociações com sindicalistas
Várias ações junto a Sindicatos de Trabalhadores, seja* da Movimentação de Mercadorias ou de Motoristas, foram implementadas pelo CCCMG afim de estabelecer a ordem e o consenso das condições de serviço .

• Negociações com o Poder Público
Importantes intervenções junto ao Governo do Estado contribuíram para a formulação de alguns mecanismos da legislações do ICMS que propiciaram melhores condições na comercialização do café.

• Praça de Comercialização e Parque de Rebenefício
Com o apoio e respaldo da entidade, ressaltando a condição moralizadora que impõe ao mercado, podemos atribuir ao CCCMG, a consolidação de uma importante praça de comercialização no interior do país (Sul de Minas) e a formação de um arrojado e moderno parque de armazenagem e rebenefício (preparo) de café.

• Café da Manhã
Evento esporádico, instituído com a finalidade de estreitar o relacionamento com outros setores da comunidade, através de um encontro informal realizado na sede da entidade, propicia a oportunidade da exposição de serviços realizados pela entidade, alcançando valiosas parcerias, citando como exemplo, os órgãos de imprensa.

• Projeto Café na Merenda Escolar
Com o objetivo de estimular o hábito de beber café entre os adolescentes, visando amplo aumento do consumo a nível nacional, o CCCMG, tendo a frente como presidente Fernando Aguiar Paiva, lançou o projeto “Café na Merenda Escolar”, em 05/07/93.

O programa-piloto fora executado pela Prefeitura de Varginha. Posteriormente virou projeto de lei, de Dep. Elias Murad, em tramitação na Câmara Federal.

• Comissão de Classificação de Café (Quadro de Árbitros)
Criada com a função de emitir Laudos de Classificação, atendendo a solicitação de associados para várias finalidades, Arbitragem, Conferências, Financiamentos, etc…

• Código de Ética
Elaborado por uma comissão da Diretoria, fora aprovado em reunião conjunta da Diretoria e do Conselho Administrativo, em 03/05/93 . Publicado e distribuído entre os agentes, com a finalidade de reger as relações entre os vários segmentos, na zona de influência do CCCMG, propiciando a moralização da comercialização do café.

• Sala de Classificação
Criada para atender a crescente demanda por emissão de Laudos de Classificação, fora denominada, Sala de Classificação e Degustação João Leite Alvarenga.

• Conselho Municipal do Café
Preocupado com os sérios problemas que atingiam a cafeicultura na região de Varginha, no início da década de 90, quando atravessava uma grave situação, de descapitalização, abandono das lavouras, demonstrando o desinteresse dos produtores, o CCCMG através do presidente Adauto Marques de Paiva, promoveu um grande esforço político, a fim de despertar, nas autoridades, maior apoio a cafeicultura, sugerindo a criação da Comissão Municipal do Café, de caráter consultivo com a finalidade de executar soluções.

Resultado daquelas ações, em 02 de dezembro de 1993, através da Lei Municipal 2.407, o então prefeito, Eduardo Benedito Ottoni, criou o conselho Municipal do Café, com o objetivo de assessorar o Governo do Município no estabelecimento das ações políticas e diretrizes no âmbito municipal, para o setor cafeeiro.

• Concurso de Qualidade
Marcando o pioneirismo em eventos dessa natureza, por idealização da diretoria do CCCMG, na pessoa do empresário Cleber Marques de Paiva, o recém criado Conselho Municipal do Café, que congrega todos os órgãos, públicos e privados, do setor no município de Varginha, lançou em Julho de 1993 o1º Concurso Qualidade Minasul de Café, realizado pela Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha.

A Comissão Julgadora do Concurso Qualidade Minasul de Café é até hoje de responsabilidade do Quadro de Árbitros do CCCMG.

• INTERCOFFEE – Seminário Internacional do Café
Realizados na cidade de Varginha, nos anos de 1995 e 1996, reuniu personalidades nacionais e internacionais do setor cafeeiro, discutindo entre outros assuntos o ordenamento das exportações de café, pelos países produtores. Além de assuntos técnicos e políticos, os eventos foram marcados calorosos encontros de confraternização com a realização das 12ª e 13ª versões do Jantar de Confraternização, que comemora o Dia Internacional do Café, 14 de abril.

• Convênio com a Minasbolsa
Em 1996 o CCCMG e a Bolsa de Mercadorias de Minas Gerais – Minasbolsa firmaram parceria, possibilitando a realização de seus pregões na sede do Centro. Pelo acordo fora concedendo permissão aos corretores filiados ao Centro de participarem dos pregões da bolsa.

• Curso de Classificação e Degustação
Em Agosto de 1997 o CCCMG em parceria com a Associação Comercial de Santos, e sob a coordenação do Diretor Dalvino Schneider, lançou o 1º Curso de Classificação e Degustação de Café Verde, com a finalidade de promover o ensinamento básico da matéria e noções gerais de práticas de produção, comercialização.
• Sala de Pregão (14/04/98)
• Acervo e Biblioteca
• Delegacia de Repressão ao Furto Roubo e Desvio de Cargas de Veículos
• Casa Cultural do Café
• Manual de Classificação
• Festa do Café
• Inauguração da Sede (própria) – 28/11/2014