Grãos de café expresso sacodem mercado de Londres perto da expiração de contratos

Imprimir

O mercado de café de Londres acaba de receber uma explosão de cafeína.

O custo do café robusta entregue neste mês beira um recorde em relação aos grãos do próximo contrato de futuros, que expira em setembro. Isto se deve a que os traders que estavam apostando em preços mais baixos no fim do mês passado agora enfrentam uma entrega de café que poderia beirar a quantidade máxima permitida.

Por enquanto, a entrega é a maior desde novembro e responde por 35 por cento dos estoques certificados na ICE Futures Europe. Embora o número de contratos pendentes sugira que a quantidade de grãos comprados e vendidos ultrapassará os limites normais da bolsa, ainda restam quatro dias antes que os futuros de julho expirem e a quantidade poderia decrescer.

“A grande pergunta que o mercado está fazendo é quão grande a entrega será mesmo”, disse Toby Donovan, corretor da BGC Partners LLP em Londres, por e-mail na sexta-feira. “Com os atuais contratos em aberto, a entrega poderia superar o limite, mas ainda há tempo para que caia ainda mais”.

A oferta mundial de café superou a demanda durante os últimos cinco anos e antecipa-se que continue, segundo uma unidade do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês). A produção para a próxima temporada poderia ser 3,4 por cento mais alta do que o consumo, mostram estimativas do USDA. Os preços do café robusta caíram 14 por cento neste ano.

A alta do preço dos futuros de julho sobre os de setembro, uma estrutura do mercado conhecida como “backwardation”, não acarreta uma escassez de café, disse Carlos Mera, analista do Rabobank International em Londres. Agricultores e especuladores no Vietnã, o maior produtor mundial de café robusta, possuem pelo menos 9 milhões de sacos de gr&atiatilde;os, cerca de 34 por cento da safra, disse ele.

“Não há uma escassez enorme”, disse ele em entrevista por telefone na sexta-feira. O prêmio em julho expirou porque “simplesmente não houve suficiente tempo para preparar e transportar o café para sua classificação”.

Fonte: Bloomberg (Isis Almeida e Lynn Thomasson) via InfoMoney 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *