Gotejamento subterrâneo leva alta tecnologia e praticidade para o cafeicultor

Imprimir

O Brasil é o maior produtor e exportador de café do mundo. A previsão para este ano é de 200 milhões de toneladas, crescimento de mais de 50% nos últimos oito anos. Deste total, 10% utilizam técnicas variadas de irrigação, seja por aspersão, seja localizada, e são responsáveis por produção de 25% da produção nacional de café. E a tendência é de que este número aumente exponencialmente, para atender à expectativa do aumento da população que pode chegar a mais de 9 bilhões de pessoas em 2050.

Das técnicas disponíveis para o cafeicultor, o gotejamento ganha destaque como a mais utilizada, por conta das características de eficiência, efetividade de água, energia e fertirrigação. Os primeiros projetos implantados aconteceram na década de 90, nas regiões do Triangulo Mineiro (Araguari/MG e Monte Carmelo/MG), e Alta Mogiana (Franca/SP), essencialmente com os tubos gotejadores instalados na superfície do solo.

Desde então, grandes avanços ocorreram nas questões de técnicas de manejo de irrigação, consolidação da fertirrigação e melhoria dos equipamentos de automação e monitoramento agronômico, com destaque para a técnica de gotejamento subterrâneo, desenvolvido pela Netafim, empresa pioneira e líder mundial em soluções de irrigação por gotejamento, e testado durante o período de 2005 a 2013 no Triangulo Mineiro.

Entre as vantagens deste novo sistema em relação ao convencional (instalado na superfície do solo), está a flexibilidade do uso do maquinário agrícola. “Como o sistema está enterrado no solo, o cafeicultor pode utilizar seu maquinário sem o receio de danificar os tubogotejadores”, explica Carlos Sanches, Gerente Agronômico da Netafim Brasil. Outras vantagens são que o sistema dificulta a germinação de plantas daninhas, uma vez que a superfície do solo se mantém seco, apresenta maior disponibilidade de nutrientes, aumentando a eficiência na absorção dos mesmos, pelo fato do ponto de emissão estar mais próximo da raiz, e reduz perdas por evaporação de água no solo.

A viabilidade do sistema depende da utilização de técnicas adequadas de manejo de irrigação, visando a racionalização do uso da água e o aumento da produtividade. “É necessário o conhecimento do movimento de água quando aplicado em profundidade, manejo agronômico da cultura e manutenção específica para o sistema de irrigação, a fim de garantir o bom funcionamento e consequentemente os resultados esperados”, explica Sanches. Durante o período de testes, o gotejamento subterrâneo apresentou tendências a melhorar a uniformidade na distribuição de água do bulbo úmido.

Buscando o pioneirismo no desenvolvimento dessa tecnologia, a Netafim Brasil instalou áreas experimentais e, por meio de constante monitoramento e avaliações, foram coletadas informações para recomendar esta opção tecnológica com a utilização dos tubos gotejadores subterrâneos. “Esta tecnologia evita inconvenientes como roubo, cortes causados pelas capinas, preparo da lavoura para colheita, colheita, ataque de roedores e a melhoria no manejo e práticas culturais referentes ao cafeeiro, além de atender a tecnologia de alta produtividade e bom desempenho do sistema de irrigação e simplificar a vida do cafeicultor nas questões referentes ao manejo”, finaliza o executivo.

De acordo com o professor André Fernandes, Professor e Pesquisador da Uniube, onde também ocupa o cargo de Pró Reitor de Pesquisa e Pós Graduação, o sucesso do sistema estimula os cafeicultores e projetistas a adotarem a técnica. “As vantagens são diversas, como economia de água, alta uniformidade, possibilidade de aplicação de vários produtos via água de irrigação, menor concorrência com plantas invasoras e outros”.

Ele também alerta que as recomendações para a manutenção do sistema devem ser seguidas à risca. “Deve-se utilizar os gotejadores adequados, respeitando as distâncias e profundidades indicadas pelo fabricante, realizar as manutenções preventivas e corretivas e a aplicação periódica de herbicidas para evitar a intrusão de raízes nos gotejadores”, explica.

A Netafim possuiu grandes extensões com gotejamento subterrâneo no Brasil e outros países, em culturas como: cana-de-açúcar, uva, algodão, tomate, jojoba, banana, milho doce, abacate, oliveiras. Esta expertise garante total conhecimento em equipamentos, instalação e manejo agronômico para esta condição, além de uma equipe de profissionais qualificados e capacitados para ajudar o agricultor a conquistar altos níveis de produtividade.

Fonte: Jornal Agronegócio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *